Endereço: CRS 505, Bloco A Entrada 11 Sala 105 - CEP: 70.350-510 - Asa Sul - Brasília/DF | Fone: (61) 3256-0803 | 3256-0802 | 9 9558-5735

Sinpro-df convoca categoria para Assembleia Geral, em 14 de junho, com paralisação

A diretoria colegiada do Sinpro-DF convoca a categoria para Assembleia Geral, com paralisação, a ser realizada na Praça do Buriti, às 9h30 do dia 14 de junho, mesmo dia da Greve Geral da Classe Trabalhadora.

O dia 14 de junho é a data da Greve Geral da Classe Trabalhadora, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e por todas as centrais sindicais para combater a reforma da Previdência, os retrocessos na educação e em defesa do emprego.

Nesta semana, o governo federal anunciou que vai tentar votar a reforma da Previdência de qualquer jeito ainda neste mês de junho, o que irá comprometer de imediato todas as pessoas que irão completar a idade ou o tempo de contribuição a partir de julho/2019, alterando, assim, a data de aposentadoria.

A diretoria colegiada afirma que é importante a participação em massa da categoria na Assembleia e na Greve Geral. Trabalhadoras e trabalhadores do serviço público e iniciativa privada estarão em greve e envolvidas(os) em atividades que irão acontecer ao longo do dia

Confira, a seguir, a pauta do magistério público do Distrito Federal para a Assembleia Geral:

– PDE: Meta 17

– Cumprimento das 21 Metas

– Regularidade nos repasses do PDAF

– Construção/reforma de escolas

– Construção de creches

– Reajuste salarial: 37%

– Pagamento da última parcela do Plano de Carreira

– Reajuste do auxílio-alimentação

– Plano de saúde

– Pagamento da pecúnia da licença-prêmio

– Militarização

– Nomeação de professores

– Gozo da licença-prêmio

– Reforma da Previdência

– Concurso público

FONTE: ASCOM/SINPRO-DF

José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, faz a palestra de abertura do Ciclo de Conferências ‘Vozes d’África na cultura brasileira’ na ABL

Advogado, sociólogo e reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, José Vicente abre, na Academia Brasileira de Letras, o Ciclo de Conferências “Vozes d’África na cultura brasileira” sob a coordenação do Acadêmico e professor Domício Proença Filho. O evento está programado para o dia 6 de junho, quinta-feira, às 17h30min, no Teatro R. Magalhães Jr. (Avenida Presidente Wilson, 203, Castelo, Rio de Janeiro). Entrada franca.

A Acadêmica e escritora Ana Maria Machado é a coordenadora geral dos Ciclos de Conferências de 2019.

Acadêmico Domício Proença Filho convida para o ciclo “Vozes d’África na cultura brasileira”

Serão fornecidos certificados de frequência.

O Ciclo terá mais duas conferências no mês de junho, às quintas-feiras, no mesmo local e horário. No dia 13, “O negro no cinema brasileiro”, com o Acadêmico e cineasta Carlos (Cacá) Diegues, e no dia 27, “Vozes d’África na música brasileira”, com o ator, escritor, produtor e sambista Haroldo Costa.

O CONFERENCISTA

José Vicente é Mestre em administração; Doutor em educação pela Universidade Metodista de Piracicaba; Fundador e presidente do Instituto Afro-brasileiro de Ensino Superior; Fundador presidente da Afrobras – Sociedade Afro-brasileira de Desenvolvimento Sociocultural; Membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República – CDES; Membro do Conselho de Autorregulação Bancária – Federação Brasileira de Bancos – Febraban; Membro do Conselho Superior de Responsabilidade Social da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP; Membro do Conselho Consultivo do Centro de Integração Empresa Escola – CIEE; Membro titular do Movimento Nossa São Paulo; Conselheiro diretor da Fundação Care/SP; Membro titular do movimento Todos pela Educação; Membro do Conselho do Memorial da América Latina; Fundador da Ong Afrobras; Reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares.

Filho caçula de boias-frias, José Vicente nasceu e cresceu no Morro do Querosene, bairro pobre de Marília, no interior de São Paulo. A partir dos 7 anos, trabalhou como engraxate, vendedor ambulante, pintor de paredes, entre muitas outras ocupações. Aos 21 anos, tendo cursado somente até o 2.° ano do Ensino Médio, foi soldado da Polícial Militar e mudou-se para a capital paulista. A vida de José Vicente começou a se modificar quando entrou em bandas marciais da cidade, dentre elas a da Associação de Ensino de Marília. Através da banda, conseguiu um emprego na área administrativa da Faculdade de Odontologia.

Na década de 90, quando Vicente ganhava a vida como advogado criminalista, também encabeçava um grupo de pessoas que conseguiam bolsas de estudos para negros em universidades particulares. Em 1997, fundou a Afrobras, ONG que existe até hoje e administra a faculdade. Em 2004, após a colaboração de diversas pessoas e empresas, começavam as aulas na Zumbi dos Palmares. Hoje são oferecidos cinco cursos (Administração, Direito, Publicidade, Pedagogia e Tecnologia de Transportes Terrestres). 

FONTE: ASCOM/Academia Brasileira de Letras

Com 72% dos votos, Chapa 1 Cutista vence eleições do Sinpro

Com uma verdadeira lição de cidadania e democracia, os(as) professores(as) e orientadores(as) educacionais da rede pública de ensino foram às urnas, nos dias 29 e 30, para eleger a nova diretoria que coordenará o Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF) no próximo triênio (2019-2022). A apuração dos votos aconteceu na Associação Pessoal da Caixa Econômica Federal (APCEF/DF) e durou toda a madrugada desta sexta-feira (31).

Sob o lema “Com você já conquistamos. Por você conquistaremos muito mais!”, a Chapa 1 CUTista foi vencedora com 72% dos votos válidos. Outras duas chapas concorreram ao pleito:  a Chapa 2 “Educadores em Luta” e a Chapa 3 “Alternativa”.

Segundo o coordenador da Comissão Eleitoral, Douglas de Almeida Cunha, foram contabilizados 12% dos votos para a Chapa 2 e 16% para a Chapa 3, sendo 4% de votos brancos e nulos.

Reeleita, a diretora Rosilene Corrêa agradeceu às companheiras e companheiros, em nome da diretoria colegiada, por mais esse voto de confiança.  Para ela, a vitória representa o reconhecimento da importância do trabalho em equipe, especialmente, no momento em que a educação sofre constantes ataques.

“Nestes últimos três anos, o que vimos foi a perseguição proposital ao magistério público, com cortes na educação e desrespeito aos docentes. Passado o processo eleitoral, deixamos nossos cumprimentos aos membros das demais chapas pela disputa transparente. Agora, é o momento de mantermos a unidade e a luta em defesa das pautas de interesse da educação e dos direitos de todas as trabalhadoras e trabalhadores”, afirmou.

A Chapa eleita acredita que a experiência aliada à renovação, são ferramentas essenciais para barrar os retrocessos e enfrentar os desafios que estão por vir. Por esse motivo, mais de 40% da diretoria vitoriosa é composta por novos integrantes.

Para Mônica Caldeira, eleita para o seu primeiro mandato como dirigente sindical, o resultado nas urnas é a oportunidade de representar, de fato e de direito, a sua categoria profissional. “Os desafios estão postos e, agora, é o momento de resistir aos ataques. Estou muito empolgada para dar respostas à categoria e ser o amparo que eles precisam. A educação está sendo invadida e nós temos o dever de defendê-la como um todo: defender os interesses dos professores e, com isso, contribuir para melhorar a qualidade na educação. Não descasaremos até alcançarmos o ideal de educação que sonhamos”, contou entusiasmada.

Seguindo o mesmo raciocínio, outro membro da Comissão Eleitoral, Rodrigo Rodrigues, reafirmou a importância da eleição sindical e parabenizou a categoria pela participação. “Entendemos que esse processo foi totalmente democrático e legítimo. Para os próximos três anos, o objetivo é seguir firme, sempre em busca de uma educação pública, gratuita, laica e com a qualidade”, conclamou.

Ao todo, 44 dirigentes formarão a nova diretoria colegiada do Sinpro, sendo 39 diretores efetivos e cinco suplentes. A diretoria será composta por membros reeleitos e diretores que já estiveram à frente do Sindicato em gestões anteriores. Já outros, concorreram a eleição pela primeira vez e vão reforçar ainda mais a luta do Sindicato. Além destes, mais cinco integrantes farão parte do Conselho Fiscal.  Vale lembrar que a apuração para o Conselho ocorrerá no dia 5 de junho, na sede do Sinpro-DF.

Veja algumas das propostas da diretoria eleita:

Garantir o cumprimento integral do Plano Distrital de Educação  (PDE), em especial, a Meta 17, que trata da isonomia salarial; continuar a luta pela manutenção do direito à aposentadoria especial e pela ampliação do benefício aos pedagogos-orientadores educacionais;

Lutar pela a implantação do plano de saúde e de políticas de prevenção;

Realizar campanhas pela valorização da educação pública e gratuita;

Continuar a luta contra a reforma trabalhista, contra a reforma da Previdência e contra a Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos em saúde e educação;

Combater o projeto “Escola sem Partido” e a militarização das escolas públicas;

Fortalecer a Gestão Democrática.

FONTE: ASCOM/SINPRO-DF

Roda de conversa debate o dia internacional ao enfrentamento à LGBTIfobia

O Sinpro, por meio da Secretaria de Raça e Sexualidade, promove uma Roda de Conversa nessa sexta-feira, dia 17 de maio, às 14h, no auditório do Sinpro (SIG Quadra 6, Lote 2260). A atividade terá a parceria da Casa Rosa e tem como objetivo fortalecer as atividades do Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTIFOBIA.

Para falar um pouco mais sobre o tema foram convidados Andrey Lemos (Especialista em ensino de história, mestre em Políticas Públicas e presidente da União Nacional LGBTF do Brasil); Ângela Maria dos Santos (Delegada Chefe do DECRIN (Delegacia Especial de Repressão ao Crime de Discriminação racial, religiosa, por orientação sexual ou identidade de gênero ou contra pessoa idosa ou com deficiência); Marcos Tavares (Presidente do projeto Casa Rosa do DF) e Patrícia Zapponi (Diretora de Direitos Humanos da RIEJ, Presidente da Comissão de Diversidade da ABA e Secretaria da Comissão de Direitos Humanos da Subseção de Sobradinho e Presidente da Comissão de Cidadania do DF).

FONTE: ASCOM/SINPRO-DF

Novo presidente do Inep garante que não haverá censura de temas nas provas do Enem

Elmer Vicenzi disse que a comissão nomeada para avaliar as provas já encerrou os trabalhos e não tirou nenhum item da base nacional de questões. Na Comissão de Educação, ele confirmou realização das provas do Enem nos dias 3 e 10 de novembro e o nome da nova gráfica para impressão de provas

O novo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Elmer Vicenzi, garantiu que não houve e não haverá censura de temas nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – confirmadas por ele para os dias 3 e 10 de novembro.

Em audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Elmer informou que a comissão de três pessoas criada no Inep em março para avaliar as questões do Enem trabalhou apenas por dez dias, já encerrou os trabalhos e não retirou itens da base nacional de questões. “Ela não funciona mais e não funcionará durante nossa gestão”, disse.

Conforme ele, essa comissão é mais uma entre as muitas que já foram instaladas no Inep. “Em 2016, também houve comissão instalada para leitura da prova”, lembrou. Elmer garantiu ainda que não existe qualquer normativa de corte de temas, por exemplo ligados a grupos minoritários. “A matriz de referência de estudo para os alunos é a mesma de 2009”, acrescentou.

Vice-presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Marcelo Acácio ressaltou que a discussão de questões sociais, de questões de gênero e de direitos humanos nas provas do Enem é muito importante. “Hoje são vistos casos de machismo e racismo na sala de aula e é preciso abordar isso no Enem”, opinou. Ele acredita que há retrocesso em relação aos critérios utilizados na elaboração das provas do exame desde 2017.

Acesso às provas
Questionado pelo deputado Alencar Santana Braga (PT-SP), que pediu o debate, Elmer Vicenzi afirmou que nenhum integrante do governo solicitou a ele acesso às provas do Enem. “Não me foi solicitado por ninguém ler a prova”, afirmou. Caso lhe seja pedido acesso às provas, o presidente do Inep garantiu que, como funcionário público, só fará o que estiver dentro da legalidade. Ele acrescentou que a montagem da prova está sendo finalizada, e ainda não há tema da redação definido.

Vicenzi explicou que, para a elaboração das questões, há chamamento público principalmente entre professores universitários. Os selecionados elaboram os itens e trabalham junto com as comissões temáticas de assessoramento do Inep para refinar as questões. Se a questão é incorporada, o colaborador é pago, e o item é pré-testado. “Depois que o item é aprovado nesse pré-teste, ele vira bem público, não se mexe nele”, destacou.

“Esperamos que a fala do presidente do Inep se confirme e não haja qualquer ingerência no conteúdo da prova”, afirmou o deputado Alencar Santana Braga. “Esperamos que nem o presidente da República tenha acesso”, completou.

Datas e gráfica
O presidente do Inep confirmou a aplicação das provas nos dias 3 e 10 de novembro em todo Brasil. “Todo o cronograma está em dia e vamos trabalhar para que não haja percalço no caminho”, afirmou.

O nome da gráfica Valid S.A foi confirmado por Vicenzi para a impressão das provas do Enem. A troca da gráfica foi necessária devido à decretação de falência da empresa RR Donnelley, que era detentora do contrato, no dia 1º de abril. Segundo Elmer, a Valid era a gráfica seguinte na ordem de classificação na licitação realizada em 2016, e o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou a contratação. Faltaria apenas o parecer da Advocacia Geral da União (AGU) sobre a contratação.

Inscrições abertas
As inscrições para o Enem ainda estão abertas, ao custo de R$ 85 – com isenção, por exemplo, para aluno de escola pública. As provas serão aplicadas em 1.727 municípios brasileiros. Estão excluídos municípios com menos de 600 inscritos, por exemplo.

FONTE: Câmara Notícias

Acadêmico e poeta Antonio Cícero fala na ABL sobre Homero, na terceira palestra do ciclo ‘Poesia cantada: melodia e verso’

O Acadêmico, poeta e compositor Antonio Cícero faz na Academia Brasileira de Letras, a terceira palestra do ciclo de conferências “Poesia cantada: melodia e verso”, sob coordenação do Acadêmico e jornalista Zuenir Ventura. O evento está programado para dia 16 de maio, quinta-feira, às 17h30min, no Teatro R. Magalhães Jr. (Avenida Presidente Wilson, 203, Castelo, Rio de Janeiro) Entrada franca.

Serão fornecidos certificados de frequência.

A Acadêmica e escritora Ana Maria Machado é a coordenadora-geral dos ciclos de conferências de 2019.

Acadêmico Zuenir Ventura convida para o ciclo “Poesia cantada: melodia e verso”

“Poesia cantada: melodia e verso” terá mais duas palestras no mês de maio, às quintas-feiras, no mesmo local e horário: “O Rio inventou a marchinha”, com Rosa Maria Araújo, no dia 23; e “Vinicius de Moraes: a canção como destino”, Eucanaã Ferraz, 30.

O CONFERENCISTA

Antonio Cicero formou-se em Filosofia pelo University College London, da Universidade de Londres, em 1972. É autor, entre outras trabalhos, dos livros de poemas “Guardar”, “A cidade e os livros”, “Porventura” e, em parceria com o artista plástico Luciano Figueiredo, de “O livro de sombras”; além dos de ensaios filosóficos: “O mundo desde o fim”, “Finalidades sem fim” e “Poesia e filosofia”. Muitas de suas entrevistas foram reunidas no livro, organizado por Arthur Nogueira, “Encontros: Antonio Cicero”.

Foi o responsável pela organização do livro de ensaios “Forma e sentido contemporâneo: poesia”; e, em parceria com Waly Salomão, o volume de ensaios “O relativismo enquanto visão do mundo”. Em parceria com Eucanaã Ferraz, também organizou a “Nova antologia poética de Vinícius de Moraes”.

Em 1993, concebeu o projeto intitulado “Banco Nacional de Idéias”, através do qual, nesse ano e nos dois subsequentes, promoveu, em colaboração com o poeta Waly Salomão e com o patrocínio do Banco Nacional, ciclos de conferências e discussões de artistas e intelectuais de importância mundial, como João Cabral de Melo Neto, Richard Rorty, Tzvetan Todorov, Hans Magnus Enzensberger, Peter Sloterdijk, Bento Prado Jr. e Darcy Ribeiro, entre outros. É também autor de inúmeras letras de canções, tendo como parceiros compositores como Marina Lima, Adriana Calcanhotto e João Bosco.

Em 2012, Antonio Cicero foi agraciado com o “Prêmio Alceu Amoroso Lima – Poesia e Liberdade”, concedido pela Universidade Candido Mendes e pelo Centro Alceu Amoroso Lima pela Liberdade.

FONTE: ASCOM/Academia Brasileira de Letras

Jogos de divulgação científica serão lançados pela Fiocruz

Um jogo de tabuleiro onde os participantes precisam avançar por um caminho dentro do campus da Fiocruz, podendo cair em “casas” onde há vírus, cientistas ou perguntas relacionadas às ciências — passam à frente ou retrocedem, dependendo da resposta, e ganha quem chegar mais rápido ao posto de vacinação. Uma disputa de cartas em que vence aquele que ficar de mãos vazias primeiro e na qual, além das cores e números do baralho, há informações sobre viroses e pesquisadores. Assim são os jogos Caminhos de Oswaldo e Imune, os dois recursos educacionais cujos protótipos a Fundação vai apresentar à comunidade durante o Simpósio Avançado de Virologia Hermann Schatzmayr, entre os dias 14 e 16 de maio.

Ambos foram feitos por meio de uma parceria entre o Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e o Multimeios, do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/Fiocruz). O objetivo é criar formas divertidas de aproximar adolescentes e jovens do universo da ciência, em especial da virologia e da medicina tropical. Assim, além de promover a interação social, ajudam na divulgação científica nacional e ampliam o conhecimento sobre temas como vacinas e doenças transmissíveis.

Tanto Caminhos de Oswaldo quanto Imune são direcionados a jovens acima de 12 anos, e foram projetados para serem usados principalmente em escolas. “É cada vez mais difícil prender a atenção dos alunos nas salas de aula, ante a desleal disputa com o celular. Por isso, o uso dos chamados jogos off-line tem crescido, como alternativa para conquistar de forma lúdica o interesse dos adolescentes para temas que podem ser encarados como ‘chatos’”, descreve Venicio Ribeiro, coordenador da seção da Programação Visual do Multimeios.

Combate às ‘fake news’

Tudo começou durante as aulas de pós-graduação em Medicina Tropical do IOC/Fiocruz. A professora Elba Lemos, que também é chefe do Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses, compartilhou com seus alunos a preocupação com as fake news, principalmente com as informações erradas a respeito das vacinas. A partir disso, propôs como trabalho de fim de curso não um artigo acadêmico, mas sim ideias para jogos que pudessem colaborar justamente no combate às notícias falsas. “Em tempos de fake news, é extremamente importante pensar em estratégias para divulgar o papel das vacinas, o que são agentes infecciosos, como se dá sua transmissão. Ou seja: estimular o conhecimento, estratégia imprescindível no combate ao boato. Como integrantes de uma instituição de saúde pública, temos que fazer com que a ciência alcance de fato a sociedade, ultrapasse os muros do campus”, narra.

Foram as ideias e o debate entre alunos, monitores e professores do IOC/Fiocruz que deram base aos dois jogos. A parceria com o Icict /Fiocruz possibilitou que o projeto se concretizasse, com a expertise em design da equipe Multimeios.

Caixa onde se lê Imune

Em Imune, são explorados conceitos-chave da virologia: as diversas viroses, suas formas de transmissão, controle e prevenção.  Para isso, as cartas são divididas por cores. As azuis tratam de aspectos dos vírus de transmissão respiratória. As amarelas, aqueles transmitidos pela água e por alimentos. As verdes, por vetores e animais. Já as vermelhas abordam vírus de transmissão sexual, sanguínea e por contato.

Mas, além das cartas relacionadas aos vírus em si, há aquelas que representam comportamentos de risco, recomendações médicas e medidas de prevenção, podendo beneficiar ou prejudicar o jogador que as “tirou”. Há aquelas que destacam cientistas e suas descobertas, como Adolfo Lutz, Hélio Pereira e José Rodrigues Coura. E há, ainda, as cartas de fake news, que obrigam o jogador a “comprar” quatro outras cartas — ou seja, a retroceder no jogo. 

Luz sobre os cientistas brasileiros

Em Caminhos de Oswaldo, um lance de dado indica quantas casas cada jogador vai avançar, vez a vez. No caminho, há estrelas, vírus e sinais de interrogação. Caso caia sobre uma estrela, o participante vai ter direito a tirar uma carta que descreve a trajetória de um pesquisador nacional, que lhe dará bônus para avançar mais alguns passos. Caso pouse sobre a imagem do vírus, precisa tirar uma carta correspondente, que indica o tipo de vírus e a quantidade de casas que vai retroceder. Mas, se cair sobre o sinal de interrogação, a carta vai indicar uma afirmativa sobre algum aspecto relacionado às viroses, e é preciso responder se é verdade ou mentira.  

Tabuleiro de jogo

“Além de estimular o conhecimento sobre formas de prevenção de doenças, os jogos podem ajudar os adolescentes a se dar conta de que há uma grande comunidade científica no Brasil, com descobertas e conquistas que se tornaram importantes para o mundo todo. Meninas, por exemplo, podem perceber que é, sim, possível ser mulher e virar cientista. E os jovens, em geral, podem acabar atraídos pelos desafios dos vírus e da pesquisa”, destaca a designer Thays Coutinho, do Icict/Fiocruz. 

Após a apresentação dos protótipos, Imune e Caminhos de Oswaldo vão passar pelo processo de validação, que inclui testes com usuários. E, em alguns meses, estarão prontos para serem usados pelos jovens e seus professores, conta a designer Patrícia Ferreira, chefe do Multimeios, que também atuou no desenvolvimento dos jogos. 

Estes não são, porém, os únicos jogos produzidos pelo Icict/Fiocruz. O Multimeios já desenvolveu produtos como Quem Deixou Isso Aqui?!, brincadeira virtual que mostra os perigos tóxicos ocultos no ambiente doméstico, e o Jogo do Acesso Aberto, um newsgame que busca conscientizar sobre a importância do acesso aberto para a saúde.

FONTE: ASCOM/FIOCRUZ

Greve nacional da educação: conheça os locais de concentração das mobilizações

No dia 15 de maio, professores(as) de todo o país se unirão na Greve Nacional da Educação. A mobilização é um protesto unificado contra a reforma da Previdência (PEC 6/2019), que atinge em cheio toda a classe trabalhadora, em especial, o magistério público. Em Brasília, a mobilização começará a partir das 10h, com concentração no Museu Nacional da República.

Em todo país, trabalhadoras e trabalhadores em educação, estudantes e comunidade escolar se organizam para a Greve Nacional da Educação, marcada para o dia 15 de maio. A mobilização será um grande protesto contra a proposta de reforma da previdência altamente prejudicial para os mais pobres, para o magistério e trabalhadores/as rurais; e contra os sucessivos cortes nas políticas educacionais (ensino superior e educação básica) e a ameaça de acabar com a vinculação constitucional que assegura recursos para a educação (Fundeb e outras políticas). Diversas entidades já declararam apoio à mobilização.

A pauta de reivindicações também inclui o fim do patrulhamento ideológico nas universidades, da ofensiva Lei da Mordaça e de uma série de políticas que impõem retrocessos civilizatórios. Clique aqui para ler a lista completa.

Consulte a seguir o panorama de organização dos sindicatos filiados e os locais de concentração nas capitais do país.

Panorama da Greve Nacional da Educação 2019

RegiãoEstadoEntidadeAtividades
 NorteACSINTEACGreve geral no Estado, com ato público em frente ao Palácio Rio Branco
AMSINTEAMEstão em greve. No dia 15/05 farão ato público na Praça do Congresso
APSINSEPEAPDia 15/05 feriado. Proposta de paralisação dia 14/05 a encaminhar
PASINTEPGreve, com mobilização da rede estadual e da rede municipal em diversos municípios.  Nos municípios: concentração em frente às prefeituras e secretarias municipais de educação. Também haverá manifestações nas cidades pólos e Unidades Regionais de Educação no interior do Estado. A rede estadual realizará ato público em Belém, com local a ser definido
ROSINTEROGreve articulada com movimentos sociais, IFs e Universidade. Manifestações nas 11 Regionais. Na capital haverá passeata com trajeto a definir
RRSINTERGreve unificada com as Universidades e movimento estudantil. Pela manhã mobilização nas escolas e nas universidades que não aderirem ao movimento. À tarde, 15h00, ato público na Praça do Centro Cívico
TOSINTETGreve com ato público, às 09h00 na Assembleia Legislativa
NordesteALSINTEALOrganização com outras entidades de luta da sociedade civil organizada: Associação dos Docentes da Universidade Federal de Alagoas (Adufal), Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de Alagoas (Sintufal), Sindicato dos Servidores Públicos Federais da Educação Básica e Profissional no Estado de Alagoas (SintiEtfal), Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Alagoas (DCE/UFAL), DCE/Uncisal, Grêmio IFAL e Marcha Mundial das Mulheres em Alagoas)
 BAAPLBGreve com Ato Público em todo o Estado, na rede estadual, rede municipalde Salvador, redes municipais do interior, universidades federais e estaduais, rede privada, técnicos das universidades, movimento estudantil. Aos regionais e em Salvador grande ato as 9 horas no Campo Grande
ASPROLFSe organizando (encaminhamentos na quarta-feira)
SIMMP/VCHoje à tarde em assembleia para eleger a pauta de atividades do dia 15
SINDTECAula nas escolas com toda comunidade debatendo a reforma da previdência
SISEGreve com Assembleia geral e ato público
SISPECGreve
CEAPEOCGreve, com concentração na Praça da Bandeira, às 08h00, e caminhada até a Praça do Ferreira para grande ato unificado.
SINDUTEGreve com concentração às 08h00 na praça da imprensa e caminhada com ato público na assembleia legislativa
MASINDEDUCAÇÃOEm organização retorno em 10/05
SINPROESEMMAEm organização retorno em  10/05
SINTERPUMGreve, com ato público em Frente ao Instituto de Previdência dos Servidores Municipais
PBSINTEMGreve unificada com SINTEP/PB. Concentração em frente ao Lyceu Paraibano
SINTEP-PBGreve com ato público unificado com concentração em frente ao Lyceu Paraibano
PESIMPEREArticulação com organizações da educação e sociais. Atos em Caruaru e Petrolina.Em Recife concentração no Ginásio Pernambucano com passeata até a Praça do Carmo
SINPCGreve. Pela manhã ato em Cabo de Santo Agostinho. À tarde adesão ao ato unificado em Recife
SINPMOLAcompanharão as ações do SINTEPE (estão em período eleitoral)
SINPROJAA definir 10/05
SINTEPEGreve com Ato Público unificado às 15h00 em frente ao Ginásio Pernambucano e em seguida seguem em passeata até a Praça do Carmo
PISINTEGreve, com articulação de outras entidades da educação e Universidades em frente ao INSS
RNSINTE/RNGreve, com atos públicos na maioria das regionais do Sindicato, pela manhã. À tarde ato publico em Natal, juntamente com Universidades e IFs, em frente ao Shopping Midwei
SESINDIPEMAManhã: ato público em frente à Câmara Municipal com distribuição de carta aos vereadoresTarde: Ato Público unificado na Praça General Valadão
SINTESEGreve com Ato Público unificado na Praça General Valadão
Centro-OesteDFSAEGreve, com ato unificado. Concentração no Museu Nacional, as 10h00
SINPROGreve, com ato unificado. Concentração no Museu Nacional, as 10h00
GOSINTEGOGreve com ato público na Praça Cívica em Goiânia
MSFETEMSAssembleia à tarde para encaminhar
MTSINTEPEm Cuiabá – Ato Público na Praça Alencastro, às 14 horas, com participação de Cuiabá e Várzea Grande.Nos municípios do interior, serão realizados atos locais e atividades de mobilização, como reuniões e panfletagem com outras entidades sindicais e da sociedade civil.
SudesteESSINDIUPESGreve geral na rede estadual. Nos grandes municípios também. Unidade com Contee, Sinpro/ES, CTB, UNE e UBES. Assembleia da Rede Estadual no Clube Alvares Cabral. Ato público na Praça do Papa
MGSINDUTE-MGGreve com as seguintes atividades no dia: 09h30 – Concentração na praça da estação; 14h00 – Debate sobre a reforma da previdência na UFMG no auditório nobre da CAD 1 e com Atos locais nos municípios
SPAFUSEParalisação com ato no MASP, 14h00, envolvendo entidades da educação e movimentos sociais
APEOESPParalisação com ato no MASP, 14h00, envolvendo entidades da educação e movimentos sociais
SINPEEMParalisação com ato no MASP, 14h00, envolvendo entidades da educação e movimentos sociais
SINTEFRAMOEnvia as atividades na sexta-feira (logo após a reunião da Diretoria)
SulPRAPMCEm articulação com as demais entidades. Assembleia para definir em 09/10
APP-SindicatoGreve, com ações descentralizadas nos núcleos.Em Curitiba, propostas a serem levadas à reunião de 10/05 com as entidades do grupo de articulação– Concentração na Praça Santos Andrade com ato político– Caminhada até o Centro Cívico com manifestação contra a Escola sem Partido– Ato em frente à Prefeitura– Reunião coma Bancada da Educação na Assembleia Legislativa
SISMMAPSem comunicação
SISMMARAssembleia dia 10/05, com indicativo de greve
SCSINTEReunião diretoria 08/05 para encaminhamento
RSAPMIEm conjunto com o Cpers realizaram com os professores do município e do estado aula pública na praça central da cidade, com os seguintes temas: bloqueio de verbas para a educação; escola sem partido; militarização do ensino público; e reforma da previdência
CPERSGreve, com atividades regionais, aulas públicas e atos públicos. Na capital serão feitas atividades durante todo dia, em diferentes locais, a definirAções articuladas com universidades, movimento estudantil, IFES, entidades municipais da educação
SINPROCANGreve com ato unificado: estudantes, petroleiros, instituto federal e trabalhadores em educação
SINTERGGreve, com as seguintes atividades:Manhã: panfletagem nos sinais de trânsito do centro da cidade.Tarde: Plenária sobre a Reforma da Previdência no auditório da Escola Juvenal MillerNoite: passeata Luminosa com saída da Escola

Concentração Greve Geral da Educação

RegiãoCapitalLocal
 NorteRio BrancoPalácio Rio Branco
ManausPraça do Congresso
AmapáFeriado
Porto VelhoA definir
BelémA definir
Boa VistaPraça do Centro Cívico
PalmasEm frente à Câmara Legislativa
 NordesteMaceióCEPA – Farol
SalvadorCampo Grande
FortalezaPraça da Bandeira
São LuizEm definição
João PessoaEm frente ao lyceu paraibano
RecifeConcentração no Ginásio Pernambucano com passeata até a Praça do Carmo
TeresinaEm frente ao prédio do INSS
NatalEm frente ao Shopping Midwei
AracajuPraça General Valadão
Centro-OesteBrasíliaConcentração no Museu da República
GoiâniaAto público na Praça Cívica
Campo GrandeConcentração na proximidades da UFMS
CuiabáConcentração na Praça Alencastro
SudesteVitóriaAssembleia da Rede Estadual no Clube Alvares Cabral.Ato Público na Praça do Papa
Belo HorizontePraça da Estação
São PauloEm frente ao MASP
Sul CuritibaProposta a ser levada para reunião com demais entidades– Concentração na Praça Santos Andrade com ato político– Caminhada até o Centro Cívico com manifestação contra a Escola sem Partido– Ato em frente à Prefeitura– Reunião coma Bancada da Educação na Assembleia Legislativa
FlorianópolisConcentração no Largo da Catedral com passeata pelo centro e ato público no Terminal Central de Integração
Porto AlegreAtos públicos em diferentes espaço: Esquina Democrática, Palácio Piratini/Assembleia Legislativa

FONTE: ASCOM/CNTE

Aprovada garantia de vaga em escola para filhos de vítimas de violência doméstica

Filhos ou dependentes de mulheres vítimas de violência doméstica terão vaga garantida em escolas de educação básica nas instituições mais próximas de onde estejam morando. É o que prevê o PL 1.619/2019, aprovado em Plenário nesta quarta-feira (8). Pela proposta, a matrícula deverá ser garantida ainda que não haja mais vagas na instituição. Como foi alterado no Senado, o projeto retorna à Câmara dos Deputados.

O PL, de autoria da deputada Geovania de Sá (PSDB-SC), inclui a garantia na Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006). A autora explica que é preciso amparar as mulheres vítimas de violência doméstica, incluindo entre as medidas protetivas emergenciais previstas na lei a prioridade de matricular os filhos na escola mais próxima da residência.

Entre as medidas de assistência já garantidas pela Lei Maria da Penha, estão o acesso prioritário à remoção quando servidora pública, integrante da administração direta ou indireta, e a manutenção do vínculo trabalhista, quando necessário o afastamento do local de trabalho por até seis meses.

A senadora Rose de Freitas (Pode-ES) elogiou a aprovação da matéria, destacando que 86% das vítimas são forçadas a mudar de domicílio diante da ameaça de violência.

— Então nós queremos, com esse projeto, assegurar a prioridade para que essas mulheres possam matricular seus dependentes, de modo que a falta de vagas não lhe colha num momento tão sofrido. Tudo fica muito mais difícil para alguém que tem que mudar de residência, levar seus filhos, tirá-los da escola; a vida se transforma — lamentou.

O projeto foi relatado na Comissão de Educação (CE) pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO), que lembrou existir na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) previsão de que o Estado deve garantir vaga na escola pública de educação infantil ou de ensino fundamental mais próxima de sua residência a toda criança a partir de 4 anos. Porém, ressaltou o relator, nem sempre a regra consegue ser aplicada diante da demanda geralmente maior de alunos do que a oferta de vagas.

A senadora Daniella Ribeiro (PP-PB) também falou da importância do projeto. A senadora teve emenda acatada na CE determinando o sigilo dos dados da pessoa agredida e de seus dependentes matriculados ou transferidos de escola com base nessa proposta. As informações só poderão ser acessadas pelo juiz, pelo Ministério Público e por órgãos do poder público.

— Sobre a emenda que sugeri, agradeço pela forma como foi acatada, no que diz respeito à questão do sigilo, tanto da criança quanto da mãe, acerca da violência sofrida, para que não passem constrangimento dentro das escolas — agradeceu a senadora em Plenário.

Estatísticas

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que as taxas de mulheres que foram agredidas fisicamente pelos parceiros em algum momento de suas vidas variaram entre 10% e 52% em 10 países pesquisados.

O Brasil, mesmo reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) por possuir uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência doméstica e familiar, tem números considerados alarmantes.

De acordo com estudo o Visível e Invisível – a vitimização de mulheres no Brasil, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 16 milhões de mulheres brasileiras (correspondente a 27,4% das mulheres com 16 anos ou mais) sofreram algum tipo de violência no último ano, como ameaça com faca ou arma de fogo (1,7 milhão) e espancamento ou tentativa de estrangulamento (1,6 milhão).

Estima-se que, a cada hora, 536 mulheres sofrem algum tipo de violência física no país. Para 23,8% das vítimas, o agressor era o cônjuge, companheiro ou namorado, enquanto 15,2% foram agredidas por ex-cônjuge, ex-companheiro ou ex-namorado.

FONTE: Agência Senado

Estão abertas as inscrições para o Prêmio de Teses 2019

As inscrições para a 14º edição do Prêmio CAPES de Teses estão abertas até 31 de maio. A seleção vai premiar as melhores teses de doutorado escritas e defendidas no ano passado, em cada uma das 49 áreas de avaliação reconhecidas no país. Os interessados podem participar do processo seletivo com os programas de pós-graduação que tiveram três ou mais teses defendidas em 2018.

Os autores dos trabalhos premiados recebem uma bolsa para estágio pós-doutoral por um período de até 12 meses. Cada orientador ganha R$ 3 mil para participar de eventos acadêmicos. Os participantes concorrem ainda ao Grande Prêmio, que seleciona três teses, uma para cada área principal do conhecimento.

Outras premiações especiais serão oferecidas pelos parceiros da CAPES na edição deste ano: os Institutos Serrapilheira e Ayrton Senna, a Comissão Fulbright e a Fundação Carlos Chagas.

Conforme regulamento publicado no Edital nº 6/2019, em 2019 a avaliação das teses será feita de junho a agosto. Serão 49 premiados, com uma tese em cada área de avaliação e até três menções honrosas por área.

A divulgação do resultado está prevista para 6 de setembro. A cerimônia de entrega dos prêmios será realizada em 12 de dezembro, em Brasília.

Inscrições através do site

Acesse o edital

FONTE: ASCOM/MEC