Endereço: CRS 505, Bloco A Entrada 11 Sala 105 - CEP: 70.350-510 - Asa Sul - Brasília/DF | Fone: (61) 3256-0803 | 3256-0802 | 9 9558-5735

Combate ao trabalho escravo é tema de oficina promovida pela CONTAG e a Organização Internacional do Trabalho

840378049

 

De 1995 a maio de 2014 foram realizadas 1.587 operações de fiscalização para a erradicação do trabalho escravo no Brasil, onde foram inspecionados 3.773 estabelecimentos. Nesse período, foram libertados um total de 46.588 trabalhadores e trabalhadoras. Esses e outros números estão sendo apresentados na Oficina Nacional de Formação de Multiplicadores no Combate ao Trabalho Escravo, atividade promovida pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), que acontece de 17 a 19 de setembro, em Brasília, com a presença de assessoria e dirigentes de Assalariados e Assalariadas Rurais das Federações Estaduais de Trabalhadores na Agricultura (FETAGs).

Na manhã de ontem (17), o coordenador do Projeto de Combate ao Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas do escritório da OIT no Brasil, Luiz Machado, contextualizou as ações do órgão da ONU de combate ao trabalho forçado no mundo, e também apresentou as convenções, protocolos e recomendações existentes para este fim.

Nos relatórios globais da OIT, o trabalho forçado é conceituado da seguinte forma: exigido sob ameaça de punição, que se conclui de maneira involuntária (sem consentimento); não pode ser confundido com salários baixos ou condições precárias (nesse caso é trabalho degradante); uso da coação; privação de liberdade; e violação de direitos humanos.

Segundo os dados da OIT, o trabalho forçado está presente em todos os continentes, em todos os tipos de economia, está generalizado no mundo e não só nas relações informais. O total de vítimas do trabalho forçado no mundo, segundo estimativas da OIT, chega a 20,9 milhões de pessoas.

E o Brasil, hoje, apesar de ainda ter um alto índice de trabalhadores(as) em condições análogas à de escravidão, é referência mundial no combate a essa prática devido a várias iniciativas: grupos especiais móveis de fiscalização; mais de 46 mil trabalhadores resgatados; Plano Nacional; Conatrae; criação e divulgação da chamada “Lista Suja”; denúncias e condenações por danos morais coletivos; lançamento do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo; ações de prevenção e reinserção. “O Brasil só não é um caso de sucesso porque ainda não erradicou o trabalho escravo”, destacou Luiz Machado.

A outra apresentação da manhã foi realizada pela Subseção do Dieese instalada na CONTAG. Foram destacadas informações sobre o assalariamento rural e trabalho escravo no Brasil. O primeiro ponto mostrou o número de ocupados no meio rural, um total de 4,1 milhões, segundo dados da Pnad 2012-IBGE. Desse montante, 3,6 milhões são homens (70,8%) e 449 mil são mulheres (29,2%). Já a taxa de assalariamento no campo é de 30%, ou seja, a cada 100 pessoas ocupadas no setor agrícola, 30 estão na condição de assalariadas.

Outro ponto destacado na apresentação do Dieese foi a taxa de informalidade nas relações de trabalho no campo. Em 2012, o índice era de 60,1%. Apesar de alta, a informalidade vem reduzindo ao longo dos anos (16,2% em 12 anos). No entanto, o secretário de Assalariados(as) Rurais da CONTAG, Elias D’Angelo Borges, mostrou-se preocupado com esse índice, principalmente porque ele gera enormes prejuízos e consequências para os trabalhadores(as) rurais assalariados(as), como a desproteção previdenciária, dentre outros. “É por esse e outros motivos que estamos realizando esta oficina. Os postos de trabalho no campo diminuíram, mas a informalidade e o trabalho escravo ainda estão presentes. Precisamos fazer mais e efetivamente melhorar as nossas ações”, ressaltou o dirigente.

A programação continua até sexta-feira, dia 19 de setembro, com debates, trabalho em grupo e aprofundamento de temas também relacionados ao combate ao trabalho escravo.

 

Informações: Verônica Tozzi (Assessoria de Comunicação da CONTAG)

Foto: César Ramos

 

Campanha estimula eleitor a conhecer as propostas dos candidatos

Voto Consciente Homem

 

A Câmara Legislativa lançou campanha de utilidade pública que orienta os eleitores a conhecer, antes do voto, o perfil e as propostas dos candidatos a deputado federal em 2014. A iniciativa busca reforçar a correlação entre a escolha do eleitor e a qualidade da representação popular na instituição. O material está sendo divulgado pelos veículos de comunicação da Câmara – jornal, agência, rádio e TV –, pelos perfis institucionais nas redes sociais e pelo portal da Casa na internet.

Na campanha “Voto Consciente” – que se estenderá até o 1º turno das eleições, em 5 de outubro –, os cidadãos serão estimulados a se informar sobre candidatos e partidos, bem como sobre suas respectivas propostas e formas de atuação. O material publicitário é composto de VTs e spots de rádio, que serão distribuídos às emissoras parceiras; peças eletrônicas para veiculação na internet e nos perfis institucionais nas redes sociais; material impresso para distribuição aos visitantes da Câmara; e plotagem do ônibus da Câmara que faz o percurso entre a Rodoviária e a Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Os vídeos da campanha, que podem ser reproduzidos livremente por quaisquer emissoras e portais, estão disponíveis nos links abaixo:

Filme 1

Filme 2

Esta é a segunda campanha do gênero promovida pela Câmara dos Deputados. A primeira ocorreu há dois anos, visando às eleições municipais de 2012. À época, as peças, veiculadas apenas nas redes sociais, também estimulavam a participação consciente no pleito.

Vote Bem

Artistas, desportistas e personalidades conhecidas do grande público gravaram depoimentos em vídeo estimulando a população a participar das eleições com o voto consciente. Os depoimentos, com duração média de um minuto, serão veiculados pela TV Câmara durante o período eleitoral no formato de interprogramas. Intitulados “Vote bem”, os vídeos irão ao ar ao longo da programação.

Participaram os músicos Lenine, Sandra de Sá, Frejat, Buchecha, Anderson “Molejo”, MV Bill, Pelezinho, Ademir Fogaça e Leandro Lehart; o chargista Paulo Caruso; os apresentadores Marcelo Tas e Rafinha Bastos; e os atletas Fernando Fernandes e Daiane dos Santos. Não houve cobrança de cachê.  As gravações foram feitas durante outras produções realizadas pela TV Câmara em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.

 

 

Informações: Câmara dos Deputados

Ministério da Saúde incorpora primeiro medicamento para autismo

580_clinipam-plano-de-saude-autismo20140912041204147

O Sistema Único de Saúde passará a oferecer o primeiro medicamento para tratar os sintomas do autismo. O medicamento, conhecido como Risperidona, será incorporado pelo Ministério da Saúde na rede pública e irá auxiliar na diminuição das crises de irritação, agressividade e agitação, sintomas comuns em pacientes com a síndrome. A estimativa é de que o tratamento esteja disponível para a população a partir do início de 2015 e que beneficie cerca de 19 mil pacientes por ano.

O autismo aparece nos primeiros anos de vida. Apesar de não ter cura, técnicas, terapias e medicamentos, como o Risperidona, podem proporcionar qualidade de vida para os pacientes e suas famílias. O autista olha pouco para as pessoas, não reconhece nome e tem dificuldade de comunicação e interação com a sociedade.  Muitos pacientes apresentam comportamento agressivo, agitado e isso exige cuidado e dedicação permanente.

Para o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, a incorporação do medicamento faz parte de um esforço do Ministério da Saúde em avaliar permanentemente a ampliação da oferta de medicamentos no SUS. “A política de incorporação tecnológica é muito ativa. Nos últimos dois anos e meio, o Ministério incorporou 111 novas tecnologias, sendo 70% medicamentos, triplicando a média anual de incorporações”, avalia.

De acordo com a estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), 70 milhões de pessoas no mundo tenham a síndrome. No Brasil, a estimativa é de este número alcance dois milhões de pessoas. A expectativa é que o Ministério da Saúde invista R$ 669 mil para a compra do remédio.

Segundo a coordenadora-geral de Saúde da Pessoa com Deficiência do Ministério da Saúde, Vera Mendes, a medicação associada ao conjunto de terapêuticas ofertado pelo SUS é fundamental para o desempenho da criança. “O remédio vai ajudar a regular os sintomas comportamentais deixando o paciente mais apto e equilibrado na prática de suas atividades, além de melhorar seu convívio na vida social e familiar”, destaca.

Para o atendimento do autismo na rede pública, são realizadas nas mais de 40 mil Unidades Básicas de Saúde ações de habilitação e reabilitação coordenadas por equipe multiprofissional, focados nas dimensões cognitivas e de linguagem oral, escrita e não-verbal, incluindo intervenções educativas e comportamentais direcionadas aos sintomas. Os pacientes também podem ser acolhidos em um dos 102 Centros Especializados em Reabilitação habilitados pelo Ministério da Saúde.

INCORPORAÇÃO – A inclusão de qualquer medicamento no SUS obedece às regras da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), que exige comprovação da eficácia, custo-efetividade e segurança do produto por meio de evidência clínica consolidada e assim garante a proteção do cidadão que fará uso do medicamento. Após a incorporação, o medicamento ou tecnologia pode levar até 180 dias para estar disponível ao paciente.

 

 

Informações: Agência Saúde

 

Movimento sindical denuncia atentado em acampamento e pede segurança

DSC07300

 

O acampamento Vida Nova, em Jordânia-MG vem sofrendo ataques nos últimos meses, e tanto famílias acampadas quanto dirigentes do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) da região estão sofrendo ameaças de morte por parte das pessoas que se dizem proprietárias da área onde o acampamento está localizado. Quem faz a denúncia é o STTR de Jordânia, apoiado pela Federação de Trabalhadores(as) na Agricultura do Estado de Minas Gerais (FETAEMG), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG)  e a Comissão Pastoral da Terra de Minas Gerais (CPT-MG).

Segundo informações do sindicato, os trabalhadores rurais acampados e dirigentes sofrem ameaças desde a criação do acampamento, porém as ameaças se intensificaram a partir de outubro de 2013, quando um dos acampados foi expulso do local, acusado de pedofilia. Este homem é suspeito de se aliar aos proprietários da terra e de estar fazendo as ameaças e executando os ataques. Já foram registrados dois boletins de ocorrência (BOs) das ameaças na delegacia local.

 

Histórico dos ataques

Em julho, trabalhadores identificaram um grande desmatamento com extração de madeira na mata pertencente ao acampamento. A área teve perícia da Polícia Florestal, que registrou boletim de ocorrência da denúncia, tendo como suspeito o ex-acampado.

Em agosto, o barraco de uma acampada e diretora do STR de Jordânia foi arrombado, e as ferramentas usadas no ato foram deixadas no local. Nada foi levado, mas a trabalhadora registrou ocorrência do fato em mais um boletim policial.

Outros dois barracos foram atacados no final de agosto. Dessa vez, atearam fogo às moradias dos trabalhadores. No primeiro deles, além dos danos ao barraco, o incêndio matou o cachorro e algumas galinhas. O trabalhador chegou a ver o executor do crime, e levantou três suspeitos ao registrar o boletim de ocorrência. Há mais ameaças de incêndios criminosos em outros barracos, também registrados em BOs.

Providências legais já foram solicitadas. Mas, até o momento, não houve resposta, e os moradores do acampamento Vida Nova estão sob constante desproteção e medo. A CONTAG solicita atenção e providências práticas do governo mineiro ao caso, antes que alguns dos trabalhadores(as) acampados(as) e dirigentes sofram algum ataque fatal por conta deste conflito e aumentando ainda mais a violência no campo.

 

Mais informações: Sindicato dos Trabalhadores Rurais da CONTAG de Jordânia /MG – (33) 376-1438 – Leda ou Tereza.

 

Consulta Pública promoverá regulamentação colaborativa de nova Lei sobre parcerias entre OSCs e Estado

image002

 

A Secretaria-Geral da Presidência da República lançou nesta segunda, dia 01/09, uma consulta pública para a regulamentação colaborativa da Lei 13.019/2014, que estabelece o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil para as relações de parceria – fomento e colaboração – entre o Poder Público e as Organizações da Sociedade Civil.

Neste momento, o governo federal está trabalhando no decreto de regulamentação da referida Lei, que entrará em vigor no prazo de 90 (noventa) dias após a sua publicação – ocorrida no Diário Oficial de 1º de agosto de 2014. O Decreto trará o detalhamento necessário das disposições legais que expressamente delegam ao regulamento a sua forma de aplicação ou aquelas que merecem tratamento jurídico específico, dentro do que determina a lei.

De acordo com a nova lei existem, no mínimo, nove temas para regulamentação, a saber: (i) divulgação nos meios públicos de comunicação por radiodifusão de sons e de sons e imagens de campanhas publicitárias e programações desenvolvidas por OSCs (art.14); (ii) composição e o funcionamento do Conselho Nacional de Fomento e Colaboração (art. 15,§1º); (iii) prazos e regras do Procedimento de Manifestação de Interesse Social (art. 18); (iv) substituição do saque à conta do termo de fomento ou de colaboração (art. 54, V); (v) atuação em rede (art. 25, IV); (vi) Monitoramento e avaliação (art. 58); (vii) regras estratificadas – R$ 600.000,00 (art. 63,§3º); (viii) registro das prestações de contas rejeitadas ou aprovadas com ressalvas (art. 69,§6º) e (ix) regras para acompanhamento dos programas de proteção a pessoas ameaçadas ou em situação que possa comprometer a sua segurança (art. 87).

Seguindo o processo participativo que norteou a construção, aprovação e sanção presidencial da Lei 13.019/2014, a Secretaria-Geral da Presidência da República convida os interessados a contribuírem para a elaboração do novo Decreto que regulamentará os temas citados, bem como todos os demais que merecerem tratamento especial por esta norma infralegal.

 

Instruções para participação 

Para participar, os interessados poderão acessar o formulário disponível no site da Secretaria-Geral.

O formulário traz orientações gerais sobre o seu preenchimento. As ideias para a regulamentação não precisam ter a redação de um texto legal. A técnica legislativa será trabalhada ao final: as propostas reunidas serão usadas como subsídios na redação do decreto. Caso os colaboradores tenham referências bibliográficas ou mais informações para embasar suas contribuições podem também enviá-las. Ao finalizar, será solicitado ao usuário uma opinião com críticas ou sugestões sobre esta consulta pública.

A fim de garantir transparência ao processo, os nomes dos responsáveis pelas contribuições serão disponibilizados nos documentos gerados a partir dos resultados da Consulta Pública.

 

Saiba mais:

Página no FaceBook: https://www.facebook.com/mroscs

Seção do MROSC no site da Secretaria-Geral: Acesse

Conheça as mudanças que a nova Lei trará: De A a Z

Confira a Lei na íntegra: Acesse

As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil (FASFIL) – 2012: Acesse

Cerimônia de sanção presidencial da Lei 13.019/2014: Acesse

 

 

 

 

Circuito Mato Grosso: Nas ondas do rádio direto da Chapada

radio cpa

Agora nas ondas do rádio, o jornalismo investigativo, combativo, social e também cultural do Circuito Mato Grosso tem programação diária nas manhãs de segunda a sexta nas rádios CPA FM 105,9 e Natureza AM 760. A proposta é ampliar a oferta de informação de interesse coletivo, além do impresso e website, também frequência hertz.

Lançado em 1º de setembro a partir do estúdio da rádio comunitária CPA FM, que funciona em Cuiabá há 14 anos, o “Programa Circuito Mato Grosso” é comandado pelo jornalista e blogueiro Enock Cavalcanti e com a participação do jornalista e poeta João Bosco, morador da região, experiente em programas de rádio, e também do major da Polícia Militar Wanderson Nunes de Siqueira, que entra na programação para tratar de questões de segurança pública.

“Nós queremos criar uma diversidade de informação e a primeira característica é que estamos numa rádio comunitária, que prioriza o interesse das pessoas e não o comercial. Eu fico satisfeito porque o empresário Pérsio Briante, diretor do jornal Circuito Mato Grosso, respaldou essa nossa proposta de poder dar uma força para as rádios comunitárias, que são muito perseguidas, desconsideradas, mas que fazem um trabalho importante”,observa o jornalista Enock na sua inquietude inabalável em 30 anos de profissão.

O compromisso com o popular de Enock Cavalcanti vem desde o Rio de Janeiro, em Nova Iguaçu, onde fazia jornais para sindicatos e associações de moradores, e continua com esta vertente, sem o compromisso pela lógica das grandes empresas. É pioneiro em seu blog na cobertura do Judiciário em Mato Grosso e contribuiu para que 10 magistrados fossem afastados quando revelou o escândalo da Maçonaria no Estado.

Já passou pela nova programação o mato-grossense Archimedes Pereira Lima Neto, que é um dos coordenadores da campanha eleitoral da candidata à Presidência Marina Silva, bem como Manoel Antônio Garcia Palma, o Toco Palma, que está brigando para impor a Loteria Esportiva de Mato Grosso, que não acontece, como a volta da Loteria do Estado de Mato Grosso (Lemat), do qual é presidente.

Também o ator e humorista André D’Lucca, com a personagem “Almerinda Governadora”, numa campanha inusitada em que provoca o público ao senso crítico e analítico de todos os candidatos e do que acontece nos bastidores dos poderes Legislativo e Executivo, principalmente. Isso ocorre quando André mostra uma lista de pessoas envolvidas na Operação Ararath, em seu espaço de rede pessoal na internet, no perfil do Facebook, e demais assuntos que ele aponta, como o Lar da Criança.

Provocativo e participativo

O “Programa Circuito Mato Grosso” chega com o jornalismo provocativo e a população participa ativamente por meio de telefonemas ao vivo para discutir e opinar sobre diversos assuntos, enquanto acontece a mesa-redonda em meio a entrevistas e bate-papo. O telefone está aberto no (65) 3649-2395 para os questionamentos.

A transmissão acontece simultaneamente, do estúdio da CPA FM, em parceria com a Rádio Natureza AM 760, do município de Chapada dos Guimarães, que tem alcance de 23 outras cidades, de segunda a sexta-feira, das 7h às 8h.

A programação alcança um público de 200 mil ouvintes na Morada da Serra, com a transmissão da CPA FM também veiculada online, cujo alcance aumenta por meio do aplicativo para smartphone.

Somente na Grande Cuiabá existem pelo menos sete rádios comunitárias e o que diferencia uma onda eletromagnética da outra é o seu comprimento e como são emitidos. Entre elas estão as ondas de rádio (AM e FM), que são, na verdade, raios hertzianos.

A título de informação, AM significa “Amplitude Modulada” e FM “Frequência Modulada”. Quando ajustadas, obtêm sinais detectados pelo receptor de rádio, por ondas eletromagnéticas, a fim de decodificar e reproduzir o som original.

Na AM a capacidade de propagação é maior e atinge longas distâncias, já a FM apresenta uma baixa frequência, porém é menos sujeita a ruídos.

Informações: Beatriz Saturnino (Circuito Mato Grosso)

Foto: Circuito Mato Grosso

Companhia pernambucana traz musical sobre Villa-Lobos

VillaLobos0091

 

Um espetáculo baseado na vida e obra de Heitor Villa-Lobos é a experiência que a companhia Sopro-de-Zéfiro – Cecília Brennand traz de Pernambuco para Brasília. “O Nosso Villa – Um musical Villa-Lobos” será apresentado somente no dia 12 de setembro, às 20h30​, no Teatro Dulcina de Moraes (CONIC) em Brasília.

A apresentação traz quinze músicas de Villa-Lobos em um roteiro que mergulha na trajetória e vida do maestro e compositor brasileiro, interpretadas por mais de 35 bailarinos-cantores e sete instrumentistas. O grupo, que é referência no movimento artístico de Recife (PE), se dedicou cerca de três meses em ensaios para uma apresentação de cerca de uma hora sobre a vida e obra do artista. Dentre os artistas, profissionais experientes e participantes do projeto Aria Social, que ganham nos palcos experiência para o futuro.

“O Nosso Villa – Um musical Villa-Lobos” desprende-se da descrição íntegra e usa do universo lúdico para apresentar a trajetória do artista. A música, executada ao vivo, torna-se narração nas mãos da diretora de arte, Beth Gaudêncio, que idealizou o projeto e garante ao público “uma seleção perfeita para cantar a vida de Villa-Lobos de maneira mais teatral e menos documental”. Ana Emília e Carla Machado assinam a coreografia e direção de cena num mergulho pela linguagem contemporânea para apontar os diversos temas que o roteiro propõe.

O espetáculo chega a Brasília como parte da turnê pelo Brasil que já contemplou Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. A capital federal é a sexta cidade a receber o projeto iniciado em 2013, no Aria Social, instituição social criada, dirigida e coordenada por Cecília Brennand.

O ingresso custa R$15, sendo R$7,50 a meia-entrada, e podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Dulcina (CONIC).

“O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos” é a terceira montagem do Aria Social, que já excursionou pelo Brasil com os espetáculos anteriores. Estreado recentemente, “O Nosso Villa” teve circulação pelo Nordeste, Sudeste e, agora, Centro Oeste. Apresentações já foram realizadas nas cidades de Recife (PE), Natal (RN), Aracaju (SE), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

 

Serviço

Dia 12 de setembro de 2014

Sexta-feira – às 20​h30
Teatro
​ Dulcina de Moraes​ – http://www.dulcina.art.br/teatro.php
CONIC, SDS Bloco C N°. 30/64 Edifício FBT
​Ingressos: R$ 15 (inteira) e 7,50 ​(meia-entrada) – bilheteria do teatro Dulcina
Duração: 80 min. Classificação etária: 10 anos

 

Foto: Divulgação

 

Matriculados tem até 1º de dezembro para tentar bolsa

prouni

Os estudantes sem bolsa de estudos matriculados em instituições particulares de educação superior participantes do Programa Universidade para Todos (ProUni) tem até 1º de dezembro para se inscrever como candidatos a vagas remanescentes. Podem participar dessa etapa do programa estudantes que tenham participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir da edição de 2010 e que tenham, na mesma edição do exame, média igual ou superior a 450 pontos e nota na redação que não seja zero.

Antes de fazer a inscrição, o candidato deve se cadastrar no sistema de bolsas remanescentes, na página do programa na internet. No cadastro, o candidato deve informar o número do CPF e a data de nascimento. Esses dados permitem que o sistema de inscrição verifique se o estudante participou do Enem e cumpre os requisitos para concorrer à bolsa.

Licenciatura — Professores da rede pública de ensino no efetivo exercício do magistério da educação básica e do quadro de pessoal permanente de instituição pública podem se inscrever para bolsas nos cursos com grau de licenciatura, independentemente de participação no Enem. Assim, basta que o candidato informe que é professor para prosseguir com o cadastro.

Mais informações e inscrições na página do ProUni na internet

 

Informações: Ministério da Educação

 

 

 

 

Campanha por uma Nova Lei de Rádios Comunitárias continua!

Abraço1

A Campanha por uma Nova Lei de Rádios Comunitárias no Brasil está ganhando cada vez mais força. A coleta de assinaturas promovida pela Abraço (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária)  está “encorpando” o ato que forçará o Parlamento a realizar as mudanças necessárias para a radiodifusão comunitária.  Desde o lançamento da campanha, a sede da Abraço Nacional em Brasília, vem recebendo centenas de assinaturas vindas de várias cidades do Brasil. Os estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, foram os que mais coletaram assinaturas para o envio até o momento.

Desde a década de 90 que o movimento das rádios comunitárias, capitaneadas pela Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária – Abraço, vem lutando para transformar a LEI MÍNIMA 9612/98, que institui o Serviço de Radiodifusão Comunitária no Brasil em uma lei que seja fomentadora da democratização da comunicação no país a partir do fortalecimento como órgão local de comunicação radiofônica, para promover o desenvolvimento sustentável local. Infelizmente, nesses 16 anos de existência da Lei, não foi possível mudar uma vírgula sequer do projeto aprovado pelo Congresso Nacional, mesmo havendo dezenas de Projetos de Leis em tramitação na casa.

Por essa razão a Abraço quer mobilizar as mais de 5.000 rádios comunitárias autorizadas no Brasil. A campanha é muito simples: Cada emissora fica com a responsabilidade de coletar um mínimo de trezentas, assinaturas para se chegar ao total de um milhão e trezentas mil assinaturas exigidas pelo Congresso Nacional para acatar uma proposta de iniciativa popular.

As propostas constantes do PLIP são a sistematização de nossas reivindicações desde antes da promulgação da Lei 9612/98 e contempla a totalidade de das demandas legais para as emissoras.  A  Abraço conclama às direções das Rádios Comunitárias de todo o país a promoverem esta coleta de assinaturas.

 

Clique aqui para baixar o formulário fazer parte da campanha

Abraço na luta pela mudança da Lei 9612/98. Participe!

Samba Autoral destaca a raiz do gênero em Brasília

20140902_120432

Brasiliense não é ruim da cabeça e nem doente do pé. O amor pelo samba raiz e a criatividade de atuantes artistas do Distrito Federal resultou em um dos projetos mais inusitados da capital nos últimos tempos. No início de 2014, a cantora Kika Ribeiro juntou sua força de inspiração com os músicos Dilton do Cavaco, Claudio Vagareza, Dalbert Brito e Renan da Cuica; resultando no Samba Autoral. A afinidade imediata se deve ao grau de amizade e, é claro, às influências musicais entre os integrantes.

Após ensaios muito bem entrosados, tendo a alegria como principal ingrediente, o grupo logo foi convidado para apresentações em importantes casas da nossa capital. Ganhando destaque em várias mídias da cidade, o projeto Samba Autoral, vem se diferenciando pela fidelidade a um dos gêneros mais característicos do Brasil, sem perder a criatividade. Na capital do país, a originalidade do samba, agora pode ser “degustada” com toda aquela magia e tempero da cidade maravilhosa.

Influências importantes não poderia deixar de acompanhar o projeto Samba Autoral. A paixão começa nos clássicos como, Noel Rosa, Cartola, João Nogueira, Roberto Ribeiro, Jamelão, passando também pelos eternos puxadores de sambas enredos, que se consagraram também como músicos de primeira. Todo este conteúdo de inspiração para as canções autorais poderá ser conferido no disco que o grupo está prestes a lançar. O grupo atualmente está sendo convidados para apresentações na cidade e também por outros estados Brasil à fora.

Para conferir ao vivo a linda performance e o sabor especial do Samba Autoral, é só ficar de olho na agenda, ou, contatar pelo telefone: (61) 8526-9755.

 

Por Bruno Caetano

Da Redação