Endereço: CRS 505, Bloco A Entrada 11 Sala 105 - CEP: 70.350-510 - Asa Sul - Brasília/DF | Fone: (61) 3256-0803 | 3256-0802 | 9 9558-5735

GDF ANUNCIA INTERVENÇÃO MILITAR EM QUATRO ESCOLAS PÚBLICAS DO DF

Com o pretexto de combater a violência escolar, o Governo do Distrito Federal anunciou ao Sinpro nessa sexta-feira (11) a intervenção militar em quatro escolas públicas do DF. O projeto piloto, que faz parte do programa SOS Segurança, terá parceria com a Polícia Militar e será implantado no Centro Educacional 1 da Estrutural, CED 3 de Sobradinho, CED 308 do Recanto e CED 7 de Ceilândia.

Mesmo diante de uma mudança tão drástica, em nenhum momento a comunidade escolar e o segmento professores foram consultados pelo governo, embora o GDF afirme que os gestores foram consultados. A consulta é crucial, uma vez que o projeto imposto pelo GDF introduzirá de 20 a 25 militares dentro das escolas com a função de ‘ajudar’ na formação disciplinar de alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e do ensino médio. O projeto fere a Lei de Gestão Democrática, que garante a participação da comunidade nas decisões do dia-a-dia escolar.

A diretoria colegiada do Sinpro reconhece o problema da violência nas escolas públicas, por isso criou, em 2008, a campanha Quem bate na escola maltrata muita gente. Vários(as) professores(as), orientadores(as) educacionais e estudantes são vítimas dos mais variados tipos de agressões, fator que é combatido diariamente pelo sindicato. Os dados são resultado de pesquisa recente feita pelo sindicato. Mas a solução para esse problema não é a intervenção militar nas escolas, mas sim o investimento na educação pública e o respeito ao Plano Distrital de Educação (PDE).

Com a implantação desse projeto, o governo não prioriza o investimento de recursos na rede pública de ensino e ainda cria um modelo de exclusão dos(as) estudantes que não atendam ao padrão de gestão escolar militar, priorizando aqueles que possuem um perfil pré-estipulado pela Secretaria de Segurança.

O problema da escola pública é a falta de investimento e isso fica nítido com os resultados obtidos pelos institutos federais de ensino. Com um custo de R$ 16 mil por estudante, segundo dados do IFB, os índices de avaliação no IDEB são superiores aos das escolas militares. Segundo dados do Ministério da Educação, o custo em escolas militares no país chega a R$ 19 mil por aluno, percentual duas vezes maior que o da rede pública do DF, que é de R$ 10 mil por estudante, segundo a Codeplan. Se todo esse recurso fosse empregado na escola pública e na cultura, promoveria uma série de melhorias na estrutura e em outros setores que carecem de investimento por parte do governo, exemplo da nomeação de mais professores e orientadores.

Para garantir uma educação pública gratuita, plural, com gestão democrática, acesso a todos e todas, e de qualidade é necessário ampliar os investimentos, mas não por meio de um modelo que pode excluir parte dos estudantes da rede pública. O Sinpro exige respeito à Lei de Gestão Democrática, ao PDE e que as escolas e a comunidade escolar sejam protagonistas das mudanças de metodologias a serem implantadas nas escolas do Distrito Federal.

FONTE: ASCOM/SINPRO-DF

Semente de esperança no Cerrado

O ano já começou cheio de esperança para a bacia do Descoberto, principal reservatório do Distrito Federal, que abastece 60% da população de Brasília.

Isso porque voluntários, proprietários rurais e instituições locais e nacionais se mobilizaram para um mutirão de restauração logo na primeira segunda-feira útil do ano.

Cerca de 75 pessoas ajudaram a plantar sementes em 1 hectare de terra em Brazlândia (DF). A ação aconteceu na chácara Roda d’ Água, uma das 12 propriedades localizadas às margens do lago Descoberto que participam do Projeto Descoberto Coberto, coletivo que luta pela conservação da bacia e é liderado pela Adasa DF.

A ação desta segunda (7) foi organizada pelo WWF-Brasil e o Na Praia, da R2 Produções, que encerrou sua 4ª temporada de eventos na cidade neutralizando as emissões de carbono com o mutirão.

Além do que foi arrecadado nos eventos, recursos do Programa Água Brasil, parceria entre Banco do Brasil, WWF-Brasil, Agência Nacional de Águas e Fundação Banco do Brasil, foram utilizados para a compra de mais de 4 toneladas de sementes nativas do Cerrado, além dos serviços de preparação do solo.

Trabalho de várias mãos

“Essa é a segunda ação de restauração com a semeadura direta que fazemos na bacia com o apoio de um lindo mutirão de voluntários, que cedem uma segunda-feira de suas vidas para, de algum modo, transformar o mundo a sua volta”, comemora Vinícius Pereira, do WWF-Brasil.

Participaram do mutirão os parceiros Adasa, Caesb, Ibram, Emater, ICMBio, Rede Sementes do Cerrado, Seagri, Grupo Zago, Associação Pró-Descoberto e UnB. Ao todo, o projeto já recuperou 33 hectares de terra na bacia do Descoberto.

Semeadura direta

A técnica utilizada no mutirão é a de semeadura direta, em que sementes nativas do Cerrado passam por um processo de “muvuca”, ou seja, são espelhadas no solo manualmente. São usados diferentes tipos de árvores, gramíneas e arbustos, como cajuzinho do Cerrado, angelim, capitão do campo e jatobá. Tudo para chegar o mais próximo possível à vegetação original da bacia.

“Essa é uma técnica muito eficiente do ponto de vista custo-benefício, já que não depende da produção de mudas para a restauração de áreas degradadas”, explica Vinícius.

Para quem participa de um evento como esse, fica a felicidade de ver o Cerrado com mais cara de Cerrado:

“Eu vejo de uma forma cada vez mais evidente que as pessoas querem fazer as coisas, querem botar a mão na massa, então esse tipo de atividade é uma forma de a gente se engajar e ver que podemos contribuir para a conservação da natureza”, comenta Osvaldo Gajardo, do WWF-Brasil, que participou como voluntário do evento.

“Apesar do projeto ser uma parceria entre instituições, é importante também sentir o envolvimento da sociedade. Preservar e restaurar o Cerrado é um papel de todos, e colocar a mão na massa foi a melhor forma de passar essa mensagem a todos”, complementa Silvia Rodrigues, do Na Praia.

FONTE: ASCOM/WWF-Brasil

Entidades do Centro-Oeste são contempladas no Edital Ecoforte Redes

Seleção pública irá atender sete mil pessoas das cinco regiões brasileiras

Duas entidades da região – uma de Goiás e outra do Distrito Federal foram habilitadas no edital Ecoforte etapa 2, da Fundação Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  Elas foram destacadas nas seleções públicas 2017/030 e 2017/031, junto com outras 26 instituições, para executarem projetos de agroecologia nas cinco regiões do país. O recurso no valor R$ 25 milhões é do Fundo Social e do Fundo Amazônia – administrados pelo BNDES.
A seleção tem como objetivo, apoiar projetos territoriais de redes de agroecologia, extrativismo e produção orgânica, voltados à intensificação das práticas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade e de sistemas produtivos orgânicos e de base agroecológica. Os projetos vão atender cerca de sete mil pessoas diretamente.
No edital 2017/030, que é voltado para atender propostas novas de redes de agroecologia ou à consolidação das atendidas pelo certame de 2014, foram habilitadas 21 entidades.
Enquanto o regulamento 2017/031, uma chamada direta para melhoria de organizações de agroecologia conveniadas pelo edital de 2014, vai atender sete entidades.
Conheça aqui as vencedoras.

Programa Ecoforte
Criado em 2013, o Ecoforte possibilitou a integração das organizações participantes, com ampliação da participação de agricultores familiares no processo de transição agroecológica, inserção produtiva de jovens e mulheres, melhoria da capacidade de produção, articulação e realização de negócios solidários nas próprias redes.

FONTE: ASCOM/Fundação Banco do Brasil

CONTAG COBRA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE HABITAÇÃO RURAL

O País possui um enorme déficit habitacional no meio rural. Segundo informações da Fundação João Pinheiro, entidade contratada pelo Ministério das Cidades para fazer o levantamento da demanda nacional, é necessário construir 1,2 milhão de casas no campo brasileiro. No novo governo, houve a fusão dos Ministérios das Cidades e da Integração Nacional, criando o Ministério do Desenvolvimento Regional.

Ainda no governo Temer, foi publicada a Portaria nº 597/2018 do Ministério das Cidades, em 25 de setembro de 2018, que divulgou os projetos de habitação rural selecionados para contratação até o final do ano, um total de 27 mil unidades habitacionais no meio rural. No entanto, nenhum projeto foi contratado.

No dia 28 de dezembro de 2018, foi publicada nova Portaria, de nº 772, que prorrogou o prazo para contratação dos projetos até 31 de março de 2019.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (CONTAG) tem a expectativa de que, de fato, as contratações aconteçam dentro desse novo prazo estabelecido, pois os projetos já foram analisados pela Caixa Econômica Federal e estão todos aptos para serem contratados. “Outra expectativa é que seja disponibilizado orçamento suficiente para a contratação dos mesmos, pois já são dois anos seguidos de paralisação do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR). Também é necessária a publicação de Portaria pelo novo governo autorizando o agente financeiro com a ‘Tarifação, preço a ser pago pelo serviço’, objetivando a execução das contratações e dentro do novo prazo”, explica o secretário de Política Agrícola da CONTAG, Antoninho Rovaris.

Para a CONTAG, o PNHR é uma política fundamental para o campo, este público que historicamente havia sido esquecido pelos programas habitacionais. “Vamos intensificar a luta pelo direito à casa própria, à moradia digna no meio rural brasileiro”, destacou Rovaris.

FONTE: ASCOM/CONTAG

Rádio Comunitária Noroeste de Goiânia entra no ar neste sábado (12)

A Rádio Noroeste é uma emissora da Associação Noroeste de Comunicação e Cultura

A Rádio Comunitária Noroeste 87.9 FM vai entrar no ar neste sábado (12) a partir das 9h30 e estará aberta para visitação técnica de quem se interessar pelo projeto. Foram investidos quase 60 mil reais em equipamentos, tudo por meio de doação ou permutas.

As entidades parceiras que ajudaram com recursos ou equipamentos foram: ABRAÇO-GO; AGENCIA ABRAÇO; SINDSAUDE (Sind. Trab. Saúde – GO); CUT – GO; SINTSEP – GO (Sind. Trab. Serv. Pub. Federal); SINPRO (Sind.Professores – GO); ADUFG (Sind. Docentes da Universidade Federal – GO); ANTP (Ass. Nacional de Transportes Públicos); Centro Cultural Eldorado Carajás; e SINT-IFES (Sind.Trab.Instituições Federais de Ensino).

A rádio fica localizada na Rua Altamira Q.231 L.12 Setor Morada do Sol – Goiânia – Goiás.

Projeto incentiva meninas a estudarem ciências exatas

“A menina que calculava” surgiu para incentivar mulheres a ter cada vez mais acesso à profissões relacionadas a essa área

Criado em janeiro 2017 em Brasília pela estudante de Física, Lilah Fialho, o projeto ‘A menina que calculava’ busca ensinar matemática, física, química e biologia a garotas estudantes de escolas públicas de todas as séries, do fundamental ao ensino médio.

Segundo a idealizadora do projeto, o objetivo é deixar as meninas confortáveis com as áreas de exatas tendo onde tirar suas dúvidas sem medo. “Eu sou estudante de física e sei o quanto o machismo e a sociedade dificultam o acesso de meninas nas áreas de exatas”, explica.

No projeto eles oferecem monitoria, aulas curtas, oficinas e mini-cursos (todos gratuitos) nas escolas públicas, sempre com uma menina à frente. Para as alunas participarem as escolas têm que se inscrever no projeto e identificar os horários disponíveis para as monitorias, que ocorrem na escola mesmo. O projeto já atendeu cerca de 450 meninas desde seu início.

Maiores informações através da Página do Projeto no Facebook ou pelo e-mail ameninaquecalculava@gmail.com.

Por Cecilia Sóter

 

 

Festival Nacional de Poesia Beagá Psiu Poético está com inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para o 2° Festival Nacional de Poesia Beagá Psiu Poético nas modalidades “Lançamento de Livros”, “Performances”, “Poesia ao Vivo”, “Poemas para Exposição”, “Poesia na Escola”, “Bicicletada” e “Apresentações Musicais Compactas”. Este evento celebrativo para difundir as diversas manifestações artísticas, a partir da arte poética, terá participação de poetas de diversas partes do país e acontecerá entre os dias 14 a 18 de março de 2019 na cidade de Belo Horizonte – MG. O movimento Psiu Poético é realizado há 32 anos, de forma ininterrupta, pelo seu idealizador João Aroldo Pereira e o Grupo de Literatura & Teatro Transa Poética, sendo referência no fomento e valorização da literatura brasileira na cidade de Montes Claros – MG em parceria com a Prefeitura de Montes Claros e a Universidade Estadual de Montes Claros.

Os interessados em participar do 2° Beagá Psiu Poético podem se inscrever gratuitamente através do e-mail psiupoetico@gmail.com até dia 30 de janeiro de 2019, com o título “Inscrição: 2º Beagá Pisiu Poético – 2019”, indicando a modalidade e um breve resumo da atividade. Maiores informações pelos telefones: (38) 2211.3380 e (38) 99112.7011 ou pelo e-mail psiupoetico@gmail.com com o título “Informação: 2º Beagá Psiu Poético”.

Fique por dentro: facebook.com/psiupoeticomoc

RETROSPECTIVA 2018

Em 2018 o Beagá Psiu Poético ocupou diversos espaços da cidade de Belo Horizonte, como a Sala Juvenal Dias no Palácio das Artes, a UFMG, o Centro de Referência da Juventude, o Ed. Maleta, a Praça da Liberdade, os Arcos do Viaduto de Santa Tereza, o Hall da Terminal Rodoviário, o Metrô e as Escolas Municipais e Estaduais. Houve uma participação ampla de poetas da Capital Mineira, de Sabará, de Ouro Preto, de Juiz de Fora, de Santos Dumont, de São João Del Rei, de Montes Claros, de Coração de Jesus, de Pernambuco, do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Brasília. No ano de 2018 o Psiu Poético em Belo Horizonte contou com um público diverso, marcando pontos positivos e deixando grandes expectativas para as próximas intervenções na Capital.

Fique por dentro: facebook.com/psiupoeticomoc

FONTE: ASCOM/Beagá Psiu Poético

MAIORIA DA POPULAÇÃO É A FAVOR DE DISCUTIR POLÍTICA NAS ESCOLAS, DIZ PESQUISA

O discurso conservador de Jair Bolsonaro e sua equipe ministerial sobre o projeto ‘Escola Sem Partido’ e a proibição do ensino de educação sexual nas escolas não tem apoio da maioria da população brasileira.

A pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (7) pelo jornal Folha de São Paulo, mostra que 71% dos entrevistados concordam que haja discussão de assuntos políticos em sala de aula e 54% aprovam o ensino sobre educação sexual para os estudantes.

Do total de entrevistados que concordam com o debate político nas escolas, 54% apoiam totalmente. Quanto maior a escolaridade do entrevistado, maior é o apoio. Entre aqueles que têm ensino superior, 83% concordam com a afirmação de que esse tema deve estar presente nas salas de aula.

O percentual de apoio aos temas políticos é maior do que a discordância em todos os recortes analisados pelo Datafolha, seja por idade, renda, religião ou preferência partidária.

Entre os 28% dos que se opõem à discussão política nas aulas, 20% dizem discordar totalmente. Os outros 8% discordam em parte.

Para a professora de Educação da USP, Carmem Moraes, o resultado da pesquisa renova as esperanças e dá combustível à luta contra os retrocessos que estão por vir. Segundo ela, é importante esclarecer a população de que as relações humanas são políticas, faz parte das relações sociais, e o debate nas salas de aula são necessárias.

“Tudo é política. Por isso, é importante que os temas políticos sejam debatidos não apenas nas escolas. E, mais do que isso, é fundamental que este debate esteja presente entre os trabalhadores, nas periferias, nas organizações de base. É preciso começar tudo de novo, porque a população não é a favor da maioria dos retrocessos sociais propostos por Bolsonaro”, afirma Carmem Moraes.

“Embora não saiba qual a metodologia da pesquisa, o resultado demonstra que podemos agir pedagogicamente explicando à população que ela foi enganada. O povo brasileiro não votou na política econômica de Bolsonaro”.

Educação sexual nas escolas é aprovada por 54%

Do total de entrevistados pelo Datafolha que aprovam a discussão sobre educação sexual nas salas de aula, 63% tem ensino superior; 54% ensino médio e 49% o ensino fundamental.

O assunto é aprovado mais por mulheres (56%) do que homens (52%). No entanto, esses percentuais se mantêm na margem de erro da pesquisa.

A rejeição à educação sexual nas escolas é de 44%. Quem mais rejeita são os eleitores de Bolsonaro (54%) e os evangélicos (53%).

O tema é o que mais divide a opinião da população, segundo a pesquisa. 35% das pessoas concordam totalmente com a educação sexual nas escolas e os que desaprovam totalmente também somam outros 35%.

A professora de Educação da USP lembra que o atual presidente foi eleito com apoio da maioria dos pastores neopentecostais, que utilizaram as fake news como forma de envolver os seus fiéis numa causa contra a suposta “ideologia de gênero, a mamadeira erótica” e outros absurdos espalhados via WhatsApp e redes sociais.

“A direita conseguiu mobilizar, via igrejas, nos setores pobres e carentes, um sentimento de pertencimento. Por isso é preciso aproximar mais a universidade, os professores, os movimentos sociais, partidos políticos e entidades dessa população que foi induzida por pastores a acreditar em ideologia de gênero e marxismo cultural”, diz Carmem Moraes.

A Pesquisa Datafolha foi realizada em 18 e 19 de dezembro de 2018, com 2.077 entrevistas em 130 municípios de todo o país. O nível de confiança é de 95% e a margem de erro de dois pontos percentuais.

O Instituto ouviu 2.077 em 130 municípios nos dias 18 e 19 de dezembro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

FONTE: CUT

COMISSÃO DE NEGOCIAÇÃO SE REÚNE COM SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E COBRA IMPLANTAÇÃO DO PDE E OUTRAS PENDÊNCIAS

A comissão de negociação do Sinpro-DF se reuniu, nessa terça-feira (8), com o secretário de Estado da Educação, Rafael Parente, e assessores da Secretaria de Estado da Educação (SEEDF). Na ocasião, a comissão cobrou do secretário a implantação das metas do Plano Distrital de Educação (PDE) e os pleitos contidos na pauta de reivindicações.

Parente declarou que reconhece o papel importante do Fórum Distrital de Educação (FDE) e assegurou que Sinpro-DF e FDE terão protagonismo em um processo de implementação do Plano. Também declarou que uma das metas deste governo é pôr em curso, de fato, o Currículo em Movimento.

No encontro, a comissão cobrou da SEEDF demandas da categoria, como, por exemplo, providências para alterar o artigo 10 a fim de retirar dele qualquer ambiguidade que suscite outra interpretação que não seja a de que, claramente, todos os profissionais da carreira do magistério público que exercem atividades pedagógicas tenham direito ao tempo de coordenação pedagógica.

O Plano de Descentralização Administrativo e Financeiro (PDAF) também foi discutido. A comissão cobrou do governo o repasse imediato da última parcela do PDAF de 2018 que muitas escolas ainda não receberam e o pagamento da primeira parcela de 2019 ainda em janeiro, tendo em vista que o início do ano letivo que se aproxima.

Vale lembrar que a comissão de negociação aguarda reunião com o governador Ibaneis Rocha para discutir outros pontos da pauta, como os financeiros. Contudo, no encontro dessa terça, tratou de questões financeiras que afetam o magistério público, tais como o pagamento da pecúnia da licença-prêmio por assiduidade.

Na oportunidade, a comissão reafirmou o posicionamento contra a Lei da Mordaça, esclarecendo que se trata de um projeto que, dentre outros retrocessos, visa a intimidar o(a) professor(a) e tem como objetivo diminuir a qualidade da educação pública, uma vez que temos a escola pública como um espaço para o aprendizado, de convivência com as diversidades, de construção de conhecimento a partir da leitura que os(as) estudantes terão do mundo e da realidade em que estão envolvidos.

Os(as) sindicalistas reafirmaram que a categoria não aceita nenhum tipo de legislação que vise a amordaçar o magistério público e que se posiciona contra qualquer discussão que acuse professores(as) de doutrinadores(as) ou que abone os defensores da Lei da Mordaça, que usam o discurso de uma suposta “ideologia de gênero” para justificar a perseguição político-partidária de ultradireita sobre a educação pública e gratuita.

A comissão de negociação esclareceu que a expressão “ideologia de gênero” não existe e que foi inventada para funcionar como uma cortina de fumaça a fim de evitar o debate sério sobre identidade de gênero e sobre como os papeis sociais são construídos na sociedade. Explicou, ainda, que o debate de “ideologia de gênero” se revela como uma forma de opressão de gênero sobre o outro ou de uma parcela da sociedade sobre a outra.

Reafirmou que o Sinpro-DF e a categoria docente irão combater com veemência qualquer legislação que tenha conteúdo de lei da mordaça, que oprima o magistério e elimine o direito do(a) estudante ao conhecimento acadêmico e científico humanitário na escola pública e gratuita.

FONTE: ASCOM/Sinpro-DF

Turismo: Destinos nacionais em alta em 2019

Com uma diversidade de oferta dos destinos nacionais e a melhoria da conectividade aérea, o turismo doméstico ganha força neste ano

As listas de viagem para 2019 são tentadoras. A mídia especializada pode ajudar na escolha com a divulgação dos melhores destinos brasileiros, uma vez que os turistas, quando acessam plataformas digitais, deixam indicações das buscas pelos lugares mais cobiçados para as próximas viagens. Os mais acessados e procurados nos sites de reservas podem até variar entre uma plataforma online e outra, mas algo que nunca muda é o fato de que o Nordeste está sempre entre as regiões mais buscadas. Todos os estados nordestinos apresentam destinos desejados por brasileiros e estrangeiros e a tendência indica que a procura continuará crescendo durante o verão, até o carnaval.

O Ceará, assim como a Bahia, com suas praias paradisíacas, não sai de moda. Fortaleza, é o novo centro regional de conexões, inclusive internacionais. A Costa do Sol Nascente, ao Leste da capital cearense, já é conhecida pela diversidade de praias com opções que vão de parque aquático às dunas e falésias que se estendem até o Rio Grande do Norte. Canoa Quebrada é um dos destinos favoritos desse roteiro. A Oeste, a Costa do Sol Poente segue até Jericoacoara, com seu novo aeroporto, onde chegam turistas do mundo todo ao Parque Nacional de Jericoacoara. O destino de natureza e aventura integra a Rota das Emoções, juntamente com o Delta do Parnaíba (PI) e o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (MA). Os três destinos integram o roteiro repleto de atrativos naturais e opções de esportes radicais, além da gastronomia e do artesanato.

A vila de Alter do Chão, em Santarém (PA), deverá ser o destino de praia fluvial mais procurado da região Norte. O local é conhecido pelos bancos de areais alvas banhadas pelas águas transparentes do rio Tapajós. Na busca dos turistas por destinos alternativos dentro do país, Alter do Chão desponta como tendência. De lá partem expedições de turismo de experiência nas comunidades ribeirinhas que vivem do extrativismo na floresta. Um levantamento feito pelo site Kayak mostra Manaus (AM) entre os destinos que tiveram significativo aumento de buscas de turistas interessados. A procura dos usuários sugere a capital do Amazonas, nas margens do rio Negro, como tendência de turismo doméstico para 2019. Manaus já é um dos principais destinos dos turistas estrangeiros que visitam o Amazonas, tendo recebido 33.627 estrangeiros em 2017.

Na região Sul, Foz do Iguaçu (PR), também se reafirma como um dos destinos mais procurados. O principal atrativo, as Cataratas do Iguaçu, patrimônio natural da humanidade, ficam no Parque Nacional do Iguaçu que recebeu 1.895.508 turistas em 2018, um aumento de 6% em relação ao ano anterior. Já Santa Catarina atrai turistas brasileiros e do Mercosul, tanto pelas belezas do litoral como pelo turismo de montanha. Florianópolis, é o destino mais famoso do estado, com mais de 100 praias. Já Balneário Camboriú está entre os mais badalados. Joinville, Itajaí e Blumenau atraem cada vez mais turistas em busca das tradições alemães e italianas. Já o parque temático Beto Carrero World, no município de Penha, segue como principal destino de quem desembarca no aeroporto de Navegantes em busca de aventura e diversão. Então, já programou sua próxima viagem?

FONTE: ASCOM/Ministério do Turismo