Endereço: CRS 505, Bloco A Entrada 11 Sala 105 - CEP: 70.350-510 - Asa Sul - Brasília/DF | Fone: (61) 3256-0803 | 3256-0802 | 9 9558-5735

Seleção de representantes para a CNIC se encerra nesta sexta

O processo de seleção de novos representantes da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) teve o prazo prorrogado até a próxima sexta-feira (19). As inscrições para as 21 vagas poderão ser feitas neste link. Podem se candidatar quaisquer associações culturais ou artísticas e empresas, desde que sejam nacionais. Os conselheiros que desejem renovar seu mandato pelos próximos dois anos, podem enviar Carta de Recondução no mesmo período para o e-mail editalcnic@cultura.gov.br.

A CNIC é composta por representantes do meio artístico, empresarial, da sociedade civil e do Estado. Ao todo, são 21 integrantes: sete titulares e 14 suplentes para as áreas de Audiovisual, Humanidades, Artes Cênicas, Artes Visuais, Empresariado Nacional, Música, Patrimônio Cultural Material e Imaterial, e Museus e Memória.

A seleção é feita em duas etapas: uma fase inicial para a habilitação das entidades, seguida pela indicação de seus representantes, que é submetida à avaliação do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão. Os novos mandatos serão para o biênio 2019-2020.

Sobre a CNIC

A CNIC é um órgão colegiado que tem, entre outras funções, a de subsidiar as decisões do Ministério da Cultura (MinC) na aprovação dos projetos culturais submetidos para captação via renúncia fiscal da Lei Rouanet. É presidida pelo secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, José Paulo Soares Martins. Desde sua criação, realizou 282 reuniões ordinárias, nas quais aprovou 112.374 projetos, o que corresponde a cerca de 85% das 132.440 propostas apresentadas.

FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

Concurso de vídeos busca reflexões sobre comunidades linguísticas, identidade e salvaguarda

É por meio da língua que definimos nossa identidade, expressamos nossa história e cultura, preservamos os costumes, as tradições, a memória de nossas comunidades. Para construir o futuro por meio da linguagem, o programa IberCultura Viva e o Escritório de Representação na Guatemala da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) lançam o concurso de curtas-metragens “Comunidades Linguísticas: identidade e salvaguarda“.

A iniciativa, que premiará 10 vídeos com 500 dólares cada, se inspira na resolução da Assembleia Geral da ONU que declarou 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas, para advertir sobre a perda destes idiomas e a necessidade de conservá-los e revitalizá-los. Das 7 mil línguas faladas ao redor do mundo, estima-se que 2.680 correm o risco de desaparecer. Os povos indígenas, criadores da grande maioria destas línguas, compõem um grupo de aproximadamente 370 milhões de pessoas, representando 5 mil culturas diferentes em 90 países.

Os vídeos devem ter duração mínima de 1 minuto e máxima de 3 minutos, incluindo os créditos iniciais e finais. Devem ser dirigidos ao público em geral, com classificação indicativa livre, e podem pertencer a qualquer gênero audiovisual (documentário, ficção, animação, jornalístico, entre outros). Caso não utilize as línguas espanhola ou portuguesa, os vídeos devem vir acompanhados da tradução, anexada ao formulário de inscrição.
O objetivo do concurso de curtas-metragens é selecionar vídeos que reflexionem sobre a situação e as problemáticas das comunidades linguísticas, para sua construção de identidade e salvaguarda como direitos culturais, e que valorizem seus aportes para a constituição, a promoção e o desenvolvimento da cultura ibero-americana. As comunidades linguísticas devem ser entendidas como o conjunto de pessoas que possuem, reconhecem e utilizam um idioma comum, seja num espaço territorial, social ou cultural específico.

Inscrições

O prazo de inscrições estará aberto até 21 de fevereiro de 2019. As postulações serão realizadas pela plataforma Mapa IberCultura Viva, onde estarão disponíveis o formulário de inscrição e um campo para incluir o link do vídeo, que deverá estar em alguma plataforma de divulgação gratuita, como Vimeo ou YouTube. As pessoas que quiserem participar do concurso devem se registrar na plataforma como agentes individuais e depois fazer a inscrição.
Brasileiros devem buscar em “Editais” (na parte superior da tela) o arquivo que aparece com o título em português. Já estrangeiros de países membros do programa devem inscrever-se onde está o título do concurso em espanhol. O concurso é destinado a pessoas maiores de 18 anos dos países membros do programa IberCultura Viva: Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, Guatemala, El Salvador, Espanha, México, Peru e Uruguai.

Seleção

A seleção das obras audiovisuais levará em conta critérios como originalidade temática e criatividade, assim como sua adequação ao tema. Contarão pontos os trabalhos que reflexionem sobre práticas de identidade das comunidades linguísticas, enfatizem boas práticas para a salvaguarda, fomentem mensagens de respeito pela diversidade e o desenvolvimento intercultural, propiciem a ruptura de estereótipos discriminatórios e apresentem grupos prioritários (mulheres, jovens, crianças, migrantes). Os vídeos realizados por membros de povos indígenas ou por mulheres serão considerados com maior pontuação.
A Comissão de Avaliação será composta por uma pessoa do Escritório de Representação na Guatemala da UNESCO e representantes de comunidades linguísticas de três países membros do Conselho Intergovernamental, indicados pelos Representantes nos Países dos Programas e Iniciativas (REPPI) que participam do IberCultura Viva.

Edições anteriores

Este é o terceiro concurso de audiovisuais promovido por IberCultura Viva. Em 2016, o programa lançou o Concurso de Videominuto “Mulheres: culturas e comunidades”, buscando dar visibilidade ao aporte fundamental das mulheres para a cultura e organização comunitária, enfrentando atitudes e estereótipos discriminatórios que contribuem para a desigualdade de gênero e a violência.
Em novembro de 2017, foi a vez do Concurso de curtas-metragens “Comunidades Afrodescendentes: Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento”, lançado em parceria com o Escritório de Representação no Brasil da UNESCO, como uma das atividades da Década Internacional dos Afrodescendentes (2015-2024), declarada pelas Nações Unidas em 2015.
FONTE: Ibercultura Viva – Ministério da Cultura

Espaços culturais do MinC oferecem programação especial para as crianças

Espaços culturais do Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Pernambuco, Maranhão e Minas Gerais, vinculados ao Ministério da Cultura (MinC), organizam atividades especiais para o público infantil no mês em que se comemora o Dia das Crianças.
As brincadeiras preferidas das crianças de antigamente serão exploradas na Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, no próximo domingo (14), com visita dramatizada ao museu do local.  Para cada sessão, serão distribuídas 30 senhas. A primeira sessão é 15h30 e a segunda, será às 16h30.
Ainda na Fundação Casa de Rui Barbosa, os 51 anos de escrita da autora Ruth Rocha, uma das principais escritoras brasileiras para o público infantil, será tema de encontro na Biblioteca Infantojuvenil Maria Mazzetti, na terça-feira (16). A ação de incentivo à leitura “O Prazer da descoberta”, realizada pela fundação, acontecerá às 10h. A entrada será gratuita para as duas atividades.
O Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, iniciará as atividades na sexta-feira (12) com visitas guiadas diferenciadas. Dentro do projeto “Bonde e Bondinho da História”, os visitantes serão levados a conhecer as exposições do museu a partir de temas elaborados tanto para adultos quanto para crianças.
No dia 12, está previsto para as 15h o Bondinho da História, cujo tema é “Museu de brincadeiras”. Participantes, com idades entre 7 e 14 anos, devem estar acompanhados dos pais ou responsáveis. Eles poderão conhecer brincadeiras que fizeram parte da infância de outros tempos. Será abordada a questão “O que é ser criança?”, levantando discussões sobre os direitos da criança e do adolescente. A atividade será acessível para pessoas com deficiência visual e auditiva. E terá uma sessão semelhante no domingo (14), também às 15h.
Em Petrópolis, a Biblioteca Rocambole do Museu Imperial montou uma programação reunindo os temas de três datas comemorativas do mês de outubro: Dia Mundial dos Animais, celebrado no dia 4; o Dia das Crianças (12) e o Dia Nacional do Livro (29). A programação começará no dia 9, às 14h, com a exibição da animação “O homem das cavernas”, a história do corajoso homem das cavernas Doug, que se une a sua tribo contra um inimigo da Idade do Bronze para tentar vencê-los em uma grande batalha.
Nos dias 10 e 11, os estudantes terão contação de história. O livro escolhido é “Ser Criança”, de Tatiane Belinky. Em forma de poema, a autora fala tudo o que ser criança significava para ela, incluindo fazer brincadeiras que os garotos e garotas de hoje não costumam fazer como jogar bola de gude, pular corda e brincar na chuva. Depois da leitura, haverá exploração de livros, jogos e fantoches da Biblioteca Rocambole.
Ainda no Rio de Janeiro, em Nova Friburgo, com patrocínio da Fundação Nacional de Artes (Funarte), entidade vinculada ao MinC, o espetáculo teatral “Lasanha e Ravioli em Cinderela” traz as atrizes Ana Barroso e Monica Biel, como palhaças que contam a história da princesa sobre a ótica delas envolvendo uma estreia no teatro. O enredo apresenta ao público elementos do teatro como: cenário, figurinos, sonoplastia, a relação com o público e o nervosismo de uma estreia, além de confusões nos bastidores e o prazer de atuar. A peça será apresentada de graça no Teatro Municipal Laércio Rangel Ventura. O espetáculo foi contemplado pela fundação com o Prêmio Funarte de Teatro Tônia Carreiro.
OUTROS ESTADOS
Na capital pernambucana, o Museu da Abolição abrirá as portas, no sábado (13), para os jovens conhecerem mais histórias que resgatam a ancestralidade africana. O projeto Aguarézinho –Festejos de Contos mistura contação de histórias com música,

Peça “Lasanha e Ravioli em Cinderela”. Foto: Divulgação

dança e brincadeiras. A atividade será das 15h às 17h, com entrada gratuita.

Em Minas Gerais, o Museu Regional Casa dos Ottoni oferece, de terça a sábado, durante todo o mês de outubro, o seu espaço para a realização de piqueniques, brincadeiras e leituras no jardim.  Além do mobiliário antigo, o destaque do acervo é arte sacra, que pertenceu à demolida igreja de Nossa Senhora da Purificação.
Também em solo mineiro o Museu Regional de São João Del Rei oferecerá apresentação de fantoches e teatro de palhaças nos dias 8, 9 e 10, das 9h30 às 15h30.  No dia 8, a apresentação de fantoches se dará em parceria com quatro escolas da cidade e as peças teatrais terão como base lendas indígenas e serão apresentadas para alunos do Ensino Fundamental da região.
Na cidade de Goiás, a cerca de 130 km de capital Goiânia, o Museu das Bandeiras realizará atividades nos dias 9, 10 e 11, das 9h às 12h e das 13h às 18h. Serão oficinas voltadas para os mitos e lendas brasileiros, com atividades lúdicas e criativas. Haverá ações voltadas para a apresentação dos patrimônios imateriais brasileiros, em especial, as Cavalhadas, as bonecas Karajás e outros registros.
No Maranhão, o Museu Casa Histórica de Alcântara (Praça Gomes de Castro – Matriz 07 – Centro – Alcântara) fez parceria com a Casa do Divino para oferecer às crianças, além da visitação guiada, contação de histórias, dinâmicas e brincadeiras com foco no patrimônio cultural e ambiental da cidade.  O museu conta por meio de azulejos, cerâmicas e acessórios como vivia a aristocracia do século XIX no Brasil. O horário de funcionamento é de terça à sexta das 9h30 às 16h30h e sábado, domingo e feriados, das 9h30 às 14h30. A entrada é gratuita.
Em São Paulo, a Cinemateca, assim como Museu Imperial, optou por realizar uma atração que unisse interesse das crianças e de criadores de animais. No dia 12, a partir das 11h, o convite para ocupar o espaço da Cinemateca é para as famílias levarem toalhas e esteiras e fazerem piqueniques no local. A programação inclui palestras, atrações para as crianças e uma sessão de cinema ao ar livre, às 19h30, com a exibição do longa-metragem de Alê Abreu, Garoto Cósmico. O filme conta a história de três crianças que viviam em um mundo futurista, no qual tinham suas vidas inteiramente programadas, mas uma noite se perdem no espaço e descobrem um universo infinito, esquecido num pequeno circo. A entrada é de graça e a lotação máxima é de 1.500 pessoas.

Serviço

Fundação Casa de Rui Barbosa 
Endereço: Rua São Clemente, 134 – Botafogo – Rio de Janeiro
Dia 14/10 – Domingo na Casa de Rui
Sessões, às 15h30 e às 16h30. (Para cada sessão são distribuídas 30 senhas)
Na terça (16), “O Prazer da descoberta” na Biblioteca Infantojuvenil Maria Mazzetti às 10h. A entrada é gratuita para as duas atividades.  Outras informações podem ser obtidas pelo email educativa@rb.gov.br ou pelo telefone: (21)3289-8686.
Museu Histórico Nacional (MHN)
Endereço: Praça Marechal Âncora s/n°, Centro do Rio de Janeiro – RJ
Dia 12 e 14/10 – visitas guiadas “Bonde e Bondinho da História”, às 15h
Os domingos têm entrada franca e nos demais dias, o ingresso custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia), estudantes e professores de escola pública, entre outros casos, têm entrada gratuita.
Biblioteca Rocambole do Museu Imperial 
Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro de Petrópolis (RJ)
Essas atividades gratuitas são destinadas a grupos escolares previamente agendados junto ao setor de Educação do museu pelo telefone (24) 2233-0345, das 8h30 às 18h.
Dia 9/10, às 14h – exibição da animação “O homem das cavernas”
Dias 10 e 11/10, contação de história – “Ser Criança”, de Tatiane Belinky.
Mais detalhes do restante das ações do mês, clique aqui. O ingresso custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia para estudantes, professores e maiores de 60 anos:) e menores de sete anos e maiores de 80 não pagam.
Peça “Lasanha e Ravioli em Cinderela”
Teatro Municipal Laércio Rangel Ventura
Endereço: Rua Salusse, 616 – Nova Friburgo – RJ
Dia 14/10, às 17h. Entrada Gratuita
Contato com o teatro pode ser feito pelo telefone (22) 2523-4568.
Museu da Abolição 
Endereço: R. Benfica, 1150 – Madalena, Recife – PE
Dia 13/10
Projeto Aguarézinho –Festejos de Contos, das 15h às 17h. A entrada é gratuita
Museu Regional Casa dos Ottoni 
Praça Cristiano Ottoni, 72 – Praia – Serro –(MG)
Terça a sábado, durante todo o mês de outubro, das 10h às 18h; domingos e feriados, das 8h às 12h. Entrada gratuita.
Museu Regional de São João Del Rei 
Endereço: R. Mal. Deodoro, 12 – Centro, São João Del Rei (MG)
Dias 8, 9 e 10, das 9h30 às 15h30. Apresentação de fantoches e teatro de palhaças. A entrada é de graça e as crianças, que não estão em excursão escolar, devem estar acompanhadas dos responsáveis para participarem das atividades.
Museu das Bandeiras 
Endereço: Praça Brasil Ramos Caiado, Setor Central – Goiás (GO)
Dias 9, 10 e 11, das 9h às 12h e das 13h às 18h. A entrada é gratuita.
Para grupos grandes, pede-se agendamento pelo telefone (62)3371-1087.
Museu Casa Histórica de Alcântara 
Endereço: Praça Gomes de Castro – Matriz 07 – Centro – Alcântara (MA)
Visitação guiada, contação de histórias, dinâmicas e brincadeiras
Funcionamento é de terça à sexta das 9h30 às 16h30h e sábado, domingo e feriados, das 9h30 às 14h30. A entrada é gratuita.
Cinemateca 
Endereço: Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Clementino (SP),
Dia 12 – a partir das 11h –  palestras, atrações para as crianças, sessão de cinema ao ar livre, às 19h30, o Garoto Cósmico. A entrada é de graça e a lotação máxima é de 1.500 pessoas.
FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

Linha de Desempenho Comercial Cinema abre inscrições

Estão abertas as inscrições para o Edital da Chamada Pública BRDE/FSA – Suporte Automático – Linha De Desempenho Comercial Cinema 2018. Serão disponibilizados recursos financeiros no valor total de R$ 47.900.000, sendo R$ 19,7 milhões para produtoras brasileiras independentes e R$ 28,2 milhões para distribuidoras brasileiras atuantes no mercado de salas exibição. As inscrições seguem até 21 de novembro e devem ser feitas por meio do Sistema ANCINE Digital – SAD.

A pontuação irá se basear na Receita Bruta de Bilheteria auferida pela exploração comercial de obras brasileiras independentes no mercado de Salas de Exibição, no território brasileiro, nos dois exercícios anteriores ao da publicação do edital (2016 e 2017), de acordo com os valores constantes no SADIS – Sistema de Acompanhamento de Distribuição da ANCINE – no dia útil anterior à data de publicação da Chamada Pública, de 4 de outubro.

A ANCINE também divulgou a lista de obras de referência para pontuação no Sistema de Suporte Financeiro Automático – Linha de Desempenho Comercial Cinema 2018 e Linha de Desempenho Comercial TV e VOD 2018.

A lista de obras de referência, conforme item 38 do Regulamento Geral do PRODAV, compreende os conteúdos audiovisuais cujo licenciamento comercial é considerado para fins de pontuação no sistema de suporte automático.

O edital faz parte do sistema de financiamento público no qual as ações financiadas são selecionadas pelo Beneficiário Indireto, em face de seu desempenho e práticas comerciais anteriores no segmento de mercado de Salas de Exibição, para destinação, via investimento, na produção, no desenvolvimento de projetos e na distribuição de obras audiovisuais brasileiras de produção independente.

FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

Mostra de xilogravura aborda imaginário nordestino

Mostra Bestiário Nordestinho reúne xilogravuras de 15 artistas de seis cidades (Foto: Funarte)

A Funarte São Paulo sedia, desta quinta-feira (4) a 19 de novembro, a mostra Bestiário Nordestino, composta por dezenas de obras de xilogravuras. Inédita no país, a exposição, que tem curadoria dos artistas Rafael Limaverde e Marquinhos Abu, reúne imagens que resgatam a história e o imaginário do povo do Nordeste. O projeto foi um dos contemplados com o Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes.

A exibição, que traz obras de 15 artistas de seis cidades, executadas com a tradicional técnica de gravação sobre pranchas de madeira, começa a deslocar-se para fora do Ceará a partir desta temporada em São Paulo. Entre os artistas em destaques estão José Costa Leite, J. Borges e Abraão Batista, referências nacionais, já com longa história na xilogravura e que ainda continuam a produzir. Também ficam em evidência obras do acervo do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, considerado a maior coleção de matrizes do país – sendo que, pela primeira vez, são expostos fora da instituição trabalhos de três artistas de Juazeiro do Norte (CE): Damásio Paulo, Walderêdo Gonçalves e Antônio Lino.
“As obras transitam do grotesco ao fantástico. O conjunto promete encantar a todos”, comentam os curadores Limaverde e Abu. “Não é possível falar da cultura do Nordeste sem tocar na xilogravura”. Os curadores lembram que a técnica sempre estampou as capas dos cordéis. Além de sua função literária, os livretos teriam o papel de registrar a memória oral de um povo e colaborar na sua alfabetização. A partir desse ponto de vista, a curadoria reuniu, para a mostra, um acervo de uma viagem de três anos de pesquisa por todo o Nordeste.
“Demônios, dragões, híbridos e seres amorfos são as estrelas do Bestiário Nordestino”, descrevem os realizadores. Eles explicam que as obras detalham o sobrenatural que atravessa o conjunto de símbolos, características e valores culturais do homem nordestino, “traçando a história deste povo que, desde muito tempo, vem sendo contada e cantada na literatura de cordel e no entalhe da madeira”, com a criatividade que marca “limites entre o homem e o animal, a realidade e a fantasia a lucidez e o delírio”.
Dentro do universo da gravura, Limaverde e Abu perceberam que um tema muito característico não é sempre abordado pelos artistas: os seres fantásticos, assombrações e monstros, “esse mundo estranho e particular”. Os curadores comentam que foram em busca da necessidade do irreal, “a despeito da beleza e do gosto popular”. Para eles, a exposição Bestiário Nordestino é um recorte desse tema, fortemente presente no imaginário do Nordeste, mas ainda pouco explorado pelos artistas gravadores.
Serviço
Mostra Bestiário Nordestino
Data: 4 de outubro a 19 de novembro. De segundas a sextas, das 11h às 19h, sábados e domingos, das 11h às 21h
Local: Galeria Flávio de Carvalho – Complexo Cultural Funarte SP (Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos)
Entrada franca
FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

Professora Cristiane Sobral lança novo livro na Mostra Sou África – Cinema africano do presente

Cristiane Sobral, professora da Unidade Regional de Educação Básica (Unieb) Núcleo Bandeirante, da Secretaria de Estado da Educação (SEEDF),  irá lançar seu novo livro na programação paralela da mostra “Sou África – o cinema africano do presente”, a ser inaugurada nesta terça-feira (2) no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). O lançamento do livro, intitulado “Espelhos, Miradouros, Dialéticas da Percepção”, será no foyer do cinema, na quarta-feira (3), às 18h.

A mostra começa nesta terça-feira (2) e vai até domingo (7)  e faz parte da pré-estreia da 10ª edição do Lobo Fest – Festival Internacional de Filme. Serão exibidos longas e curtas-metragens recentes, produzidos em vários países da África Subsaariana. A programação inclui sessão infanto-juvenil e uma homenagem ao cineasta Idrissa Ouédraogo, do país africano Burkina Faso, morto em fevereiro deste ano. A entrada é franca mediante retirada de senha a partir de uma hora antes do início da sessão.

Confira a programação clicando na imagem:

 

 

FONTE: SINPRO/DF

Edital sobre 100 Anos da Semana de Arte Moderna abre inscrições

O Ministério da Cultura (MinC) abriu as inscrições para o ‘Prêmio de Incentivo à Publicação Literária, 100 Anos da Semana de Arte Moderna de 1922-2018′. Serão selecionadas 25 obras literárias inéditas, com premiação de R$ 40 mil para cada uma, que tenham como temática o centenário da Semana de Arte Moderna. As inscrições podem ser realizadas até 15 de novembro, na página do edital.
A ideia é estimular a criação de conteúdos atraentes para diversos públicos e aproximar os espectadores das questões relacionadas à Semana de Arte Moderna. Poderão participar do Prêmio pessoas físicas brasileiras ou naturalizadas e somente serão habilitadas obras inéditas em língua portuguesa brasileira.
A Comissão de Seleção avaliará as obras por meio de quatro critérios: qualidade literária; criatividade/originalidade; clareza e objetividade do texto; e contribuição à cultura nacional. Haverá também pontuação extra caso se, no momento da inscrição, o proponente apresentar uma carta de manifestação de interesse de editora em publicar a obra.

Semana de 22

A Semana de Arte Moderna, também chamada de Semana de 22, ocorreu em São Paulo, entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal da cidade. Cada dia da semana deu destaque a uma arte específica, como pintura, escultura, poesia, literatura e música. O evento marcou o início do modernismo no Brasil e tornou-se referência cultural do século XX.
Entre os participantes do evento estavam nomes como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Picchia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos, Tácito de Almeida e Di Cavalcanti.
A Semana de Arte Moderna representou uma verdadeira renovação de linguagem, na busca de experimentação, na liberdade criadora da ruptura com o passado e até corporal. O evento marcou época ao apresentar novas ideias, conceitos e paradigmas artísticos, que tiveram reflexos diretos em alguns movimentos culturais posteriores, como o Movimento Pau-Brasil, Movimento Verde-Amarelo e o Movimento Antropofágico.
FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

CTAv estimula capacitação do setor audiovisual

O Centro Técnico Audiovisual (CTAv), vinculado à Secretaria do Audiovisual (SAv) do Ministério da Cultura (MinC), oferece, além de serviços para a sociedade, uma série de oficinas e programas de capacitação para o setor audiovisual. Nos meses de outubro e novembro, o Centro realizará seis oficinas gratuitas, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Três desses workshops estão com as inscrições abertas: O mercado audiovisual(10/10), Esquetes e roteiros (17/10) e A luz no cinema e na TV (24/10).
As outras três oficinas previstas são Fotografia e iluminação no audiovisual (31/10), A construção sonora de uma obra audiovisual (7/11) e Técnicas digitais de fotometria para cinema e vídeo(14/11). Em maio, deste ano foram realizadas as oficinas Fundamentos de produção de som para audiovisual e Prática de Produção Sonora para o Audiovisual. E, em agosto, foi ministrada a oficina Audiovisual e as Redes Sociais.
“Desde o início de 2018, o CTAv assumiu como vocação a formação profissional. Sendo assim, começaram a ser pensadas uma série de atividades voltadas para o público externo, com o objetivo de capacitar e qualificar profissionais e demais interessados em audiovisual. Dentre elas, estão as oficinas e workshops gratuitos que realizamos  no CTAv com técnicos da casa e com parceiros externos”, explica a coordenadora-geral do CTAv, Daniela Pfeiffer.
De acordo com a direção do CTAv, mais quatro projetos devem sair do papel ainda neste ano. Nos meses de outubro e novembro, está prevista a Oficina Básica de Animação, com duração de 36 horas, e um workshop de Introdução de Fotografia para Cinema, com carga horária de 12 horas. Além disso, até o fim do ano serão ministradas duas capacitações voltadas para projetos: Captação e gestão de projetos e Prestação de Contas.
Confira abaixo a programação dos workshops em parceria com a Firjan:
A constatação da organização da sociedade pautada pela informação traz novos desafios para o mercado audiovisual. As organizações públicas e privadas vêm se transformando para capitalizar as relações resultantes desse contexto em constante transformação. Nesse sentido, serão abordados temas como: leis de incentivo, o mercado de trabalho, o impacto das tecnologias e os desafios para a formação profissional.
A potencialização da ideia pela linguagem do vídeo é elemento de destaque da mensagem no mar infinito de postagens nas redes sociais e players. Os YouTubers, as agências de comunicação e os “influenciadores digitais” se utilizam de técnicas de roteiro e esquetes para capitalizar seus serviços. Serão abordadas: teorias das narrativas, os elementos simbólicos e de linguagem, a performance diante das câmeras, todo o mise en scene capaz de agregar valor e interesse às peças produzidas.
A iluminação é um dos mais enigmáticos elementos da sétima arte. Característica marcante de diversos gêneros do Cinema (ex. Cinema Noir), tem em sua técnica a capacidade de criar ambientações diversas. A tecnologia digital vem proporcionando à televisão uma aproximação da estética cinematográfica.
31/10 – Fotografia e iluminação no audiovisual
 A Iluminação como elemento de linguagem visual, os equipamentos utilizados, suas possibilidades de combinação e ajustes, o olhar subjetivo sobre a luz e as características da luz são elementos abordados.
07/11 – A construção sonora de uma obra audiovisual
A evolução tecnológica proporcionou e vem proporcionando ao cinema a exploração de novas dimensões narrativas e dramáticas para suas estórias. Uma das mais relevantes e que ainda concentra muitos mistérios e mitos é a dimensão sonora, tanto nas telas quanto fora delas. Essa paixão humana pelo som tem proporcionado grandes investimentos e melhorias no mercado audiovisual. Para acompanhar esses avanços, os profissionais de áudio e até do cinema como um todo precisam se manter atualizados tanto em linguagem sonora quanto em técnicas de produção de áudio.
14/11- Técnicas digitais de fotometria para cinema e vídeo
As câmeras digitais concentram em seu corpo tecnologias de informática e capacidade de processamento superior aos computadores utilizados há duas décadas. A medição direta da luz incidente ou rebatida por meio de fotômetros não garante resultados satisfatórios, pois as câmeras registram imagens resultantes de um sofisticado processamento. Nesta oficina, serão abordadas algumas técnicas de ajuste e monitoração da luz que é impressa pela câmera.
Sobre o CTAv
Criado em 1985 a partir de parceria entre a Embrafilme e o National Film Board do Canadá, o CTAv integra, desde 2003, a estrutura da Secretaria do Audiovisual do MinC. O centro é referência na América Latina em conservação de acervo, sendo responsável pela guarda de mais de 20 mil rolos de película e 4,5 mil arquivos digitais.
 O CTAV também presta serviço de mixagem e empréstimo de equipamentos, por meio de chamadas públicas, e de produção e envio de cópias de filmes brasileiros que participarão, com apoio da Agência Nacional do Cinema (Ancine), de festivais de cinema nacionais e internacionais.
Serviço
Endereço: Avenida Brasil, Av. Brasil, 2482, Benfica – Rio de Janeiro (RJ)
Horário de funcionamento: de 10h às 16h
Telefone: (21) 3501-7801
FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

Literatura de cordel direto na casa do leitor

Novo patrimônio cultural brasileiro, a literatura de cordel é uma expressão popular que abrange não apenas as letras, mas também a música e a ilustração. É um gênero literário, veículo de comunicação, ofício e meio de sobrevivência para inúmeros cidadãos brasileiros: poetas, declamadores, editores, ilustradores (desenhistas, artistas plásticos, xilogravadores) e folheteiros (como são conhecidos os vendedores de livros). Disseminado em todo o Brasil, apesar de ter começado no Norte e no Nordeste, o cordel pode ser acessado de casa, por meio de acervos com exemplares digitalizados, ou diretamente no acervo de diversas instituições.
A Fundação Casa de Rui Barbosa, instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), mantém o portal Cordel, Literatura popular em verso, fruto de um projeto cujo objetivo é preservar, conservar e disponibilizar os exemplares do acervo da instituição. Para preservar os cordéis contra o desgaste do tempo e do manuseio, a coleção foi submetida a tratamentos químicos, tecnológicos e os livretos foram digitalizados e guardados em invólucros específicos. O projeto busca ainda fazer o intercâmbio entre instituições que também tenham cordéis em seu acervo, de modo a formar um banco de dados gerais sobre o tema. Por meio da página, é possível acessar cerca de 2.340 dos 9 mil folhetos de cordel que constituem o acervo da instituição. Para consultá-los, basta clicar neste link.
O Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular disponibiliza, em formato digital, uma das mais importantes coleções de cordel do País, com mais de seis mil exemplares. O acervo fica sob a guarda da Biblioteca Amadeu Amaral e pode ser acessado neste link.
A Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC) também possui espaço em sua página para obras digitalizadas. Quem mora ou estiver visitando o Rio de Janeiro pode visitar a sede da Academia, que mantém uma biblioteca com cerca de 2 mil livros sobre o tema e a Cordelteca, com 13 mil folhetos. Destes, aproximadamente 6 mil estão catalogados e disponíveis para consulta.
O Instituto Moreira Sales também possui cerca de 650 exemplares de folhetos e livros sobre Cordel em seu acervo. As informações sobre os títulos podem ser consultadas on-line neste link. Para consultas, é preciso agendar uma visita à sede do Instituto no Rio de Janeiro, pelo e-mail literatura@ims.com.br.
Na Biblioteca da sede da Fundação Nacional de Artes (Funarte), também no Rio de Janeiro, há um acervo com 175 livros e folhetos de cordel. As informações sobre o acervo podem ser visualizadas pesquisando cordel na página de pesquisa da instituição. Os exemplares podem ser consultados na biblioteca da Fundação.
O Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), da Universidade de São Paulo, mantém o Portal da Literatura de Cordel, feito em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Universidade de Poitiers, na França. No site, é possível consultar folhetos de cordel, repente e xilogravuras, além de bibliografia e referências sobre o tema.
Direto da fonte
Há diversas cordeltecas implantadas em todo o território nacional, 19 ao todo, de acordo com a Academia Brasileira de Literatura de Cordel, todas listadas neste link. A Cordelteca João Firmino Cabral, fundada em 2003, em Aracaju, Sergipe, é a primeira iniciativa do gênero no País. O espaço homenageia o autor homônimo, primeiro sergipano a ter seus cordéis divulgados fora do estado, e fica nas dependências da Biblioteca Pública Clodomir Silva, vinculada à Fundação Cultural de Aracaju. O espaço abriga mais de 500 títulos que podem ser consultados pelo público em geral.
Algumas cordeltecas são mantidas pelos próprios autores, como é caso da Cordelteca Olegário Alfredo, em Sabará, Minas Gerais. Outro exemplo é a Cordelteca Dalinha Catunda, criada pela própria cordelista em Ipueiras, Ceará. Alguns dos cordéis estão disponíveis no blog da escritora, o Cantinho da Dalinha.
O cordel
A Literatura de Cordel no Brasil é o resultado de uma série de práticas culturais em que os cantos e os contos constituem as matrizes para uma série de formas de expressão. Na formação da cultura brasileira, da qual a literatura de cordel faz parte, tanto indígenas quanto africanos e portugueses adicionaram práticas de transmissão oral de suas cosmologias, de seus contos e de suas canções.
FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura

MinC investe mais R$ 55 milhões no fomento ao audiovisual

O Ministério da Cultura (MinC), por meio da Agência Nacional do Cinema (Ancine), abre nesta terça-feira (25) as inscrições para a Modalidade B do Edital de Fluxo Contínuo de Produção para Cinema. A Chamada Pública é voltada para seleção de projetos de produtoras brasileiras independentes de longas-metragens de ficção, documentário e animação, com destinação de R$ 55 milhões aos selecionados. Serão avaliados o diretor, o desempenho comercial e o histórico de entrega da produtora, a qualificação da distribuidora e o desempenho artístico.
O Edital de Fluxo Contínuo de Produção para Cinema vai disponibilizar R$ 150 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), divididos em quatro Modalidades, sendo que cada projeto poderá ser inscrito em apenas uma delas. A Modalidade A, que já teve as inscrições encerradas no dia 18 de setembro, selecionou projetos de distribuidoras nacionais independentes, com destinação de R$ 55 milhões.
Na Modalidade C, as inscrições começam no dia 2 de outubro, com R$ 25 milhões reservados a projetos que tenham como proponente produtora brasileira independente sediada nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; na Região Sul e estados de Minas Gerais e Espírito Santo; e distribuidora brasileira independente sediada em qualquer região do país, desde que o projeto inscrito seja de produtora sediada nas regiões listadas acima.
Por fim, a Modalidade D destinará R$ 15 milhões à complementação de recursos de projetos que tenham como proponente produtora brasileira independente. As inscrições dessa etapa serão abertas em 9 de outubro.
Com base na pontuação final obtida, nas quatro modalidades, cada projeto será enquadrado em uma faixa de pontuação que dará direito a acessar diferentes tetos de valores, conforme a tabela abaixo:
FONTE: ASCOM/Ministério da Cultura