Endereço: CRS 505, Bloco A Entrada 11 Sala 105 - CEP: 70.350-510 - Asa Sul - Brasília/DF | Fone: (61) 3256-0803 | 3256-0802 | 9 9558-5735

Nove festivais abrem inscrições para cineastas

festivais-1000Cineastas e profissionais da área de audiovisual têm nove chances de mostrarem suas produções em festivais nacionais e internacionais que estão com inscrições abertas. São oportunidades em festivais de imagem e movimento, documentários, cinemas independentes, curtas, médias e longas-metragens. Veja abaixo os festivais em aberto:

 

Nacionais

4º Festival de Cinema Universitário de Alagoas

  • Inscrições: até 27 de julho
  • A 4ª edição do Festival de Cinema Universitário de Alagoas divulga curtas-metragens, com até 25 minutos, produzidos nas instituições de ensino superior e escolas técnicas de cinema, o festival acontece de 18 a 22 de novembro, em Penedo (AL). O evento promove atividades paralelas com intuito de proporcionar um espaço de divulgação e troca de experiências no âmbito da pesquisa, da extensão, da produção e da exibição cinematográfica.  Durante o festival, acontece o 4º Encontro de Cinema de Alagoas, que conta com a realização de oficinas, mesas-redondas e apresentação de trabalhos acadêmicos.
  • Acesse o site oficial do 4º Festival de Cinema Universitário de Alagoas para mais informações:http://www.evento.ufal.br/cinema/
  • Inscrições: até 30 de setembro
  • Evento de caráter não competitivo, exibe filmes de qualquer gênero ou formato. O festival se propõe a ser um meio de divulgação de filmes de diferentes formatos e origens, visando à troca de informações entre seus realizadores. Além das mostras, o FIM realiza oficinas voltadas de audiovisual e o cineclube Clube de Cinema.
  • O Festival Imagem-Movimento – FIM, acontece entre os dias 1 e 7 de dezembro, em Macapá (AP). O festival se dedica ao fomento da produção e à formação local na linguagem audiovisual, tem caráter não competitivo e admite a exibição de curtas, médias e longas-metragens de qualquer gênero.
  • Mais informações e regulamento no site do evento:  http://festivalfim.blogspot.com.br/
  • Inscrições: até 21 de julho
  • A 7ª edição do festival Janela Internacional de Cinema do Recife, acontece entre os dias 24 de outubro e 2 de novembro na capital pernambucana. O evento promove produções nacionais e internacionais, propiciando o intercâmbio e o diálogo sobre cinema.
  • Interessados em participar da mostra competitiva de curtas-metragens podem inscrever filmes com até 35 minutos de duração, de qualquer gênero, realizados a partir de janeiro de 2013.
  • O festival ainda promove a exibição de longas-metragens fora de competição, convidados pela curadoria. Os interessados devem preencher o formulário disponível no site oficial do festival. Não há limite de número de inscrições por realizador.
  • Para mais informações, acesse o site oficial do VII Janela Internacional de Cinema do Recife: http://www.janeladecinema.com.br/2014/
  • Inscrições: até 31 de julho
  • O Antofadocs – Festival Internacional de Documentários de Antofagasta, no Chile, é dedicado à difusão do documentário como ferramenta de transformação cultural e social, que ocorre entre os dias 4 e 8 de novembro, e abre espaço para curtas e longas-metragens.
  • As inscriçõesm são gratuitas e devem ser realizadas pela internet, com o preenchimento da ficha de inscrição disponível no site do evento.
  • Serão aceitas produções inéditas comercialmente no Chile até o dia de realização do evento, produzidas entre 2013 e 2014. Filmes em português deverão ser legendados em espanhol. O festival se divide nas categorias competitivas Longa-metragem internacional, Curta-metragem internacional e Novas Linguagens, esta dedicada a produções experimentais e com narrativas inovadoras ou técnica híbrida.
  • Os melhores filmes das mostras competitivas receberão prêmios em dinheiro e o troféu Antofadocs, outorgados pelo júri oficial do evento. A premiação será realizada em cerimônia no próprio festival.
  • Mais informações no site https://festhome.com/f/131
  • Inscrições: até 31 de julho para curtas-metragens e 29 de agosto para longas-metragens
  • O evento acontece entre os dias 22 e 30 de novembro, na Argentina, e é destinado à exibição de longas-metragens de todo o mundo, acompanhados de seus representantes, para promover encontros e, assim, contribuir com o desenvolvimento da indústria cinematográfica latino-americana.
  • Os filmes inscritos devem ter sido finalizados após novembro de 2013. Para se submeter à seleção do festival, é necessário preencher a ficha disponível no site do festival.
  • O Festival de Mar del Plata é competitivo. Os filmes brasileiros selecionados poderão solicitar apoio à Agência Nacional de Cinema (Ancine) por meio do Programa de Apoio à Participação de Filmes Brasileiros em Festivais Internacionais e de Projetos de Obras Audiovisuais Brasileiras em Laboratórios e Workshops Internacionais.
  • O festival é organizado pelo Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais da Argentina (INCAA), credenciado pela Federação Internacional das Associações dos Produtores de Filmes (FIAPF). Maiores informações acesse o site oficial do festival: http://www.mardelplatafilmfest.com/28/
  • Inscrições:  para curtas-metragens até 31 de julho e longas até 15 de agosto
  • O Sitges acontece entre os dias 3 e 12 de outubro. É o primeiro festival do mundo dedicado ao gênero e importante para quem quer conhecer novas tendências e tecnologias de produção e difusão de cinema fantástico.
  • Podem se inscrever curtas e longas-metragens de qualquer nacionalidade, inéditos na Espanha e produzidos a partir de 2013. As produções exibidas em competição concorrem aos prêmios de Melhor Filme, Melhor Diretor, Interpretação, Roteiro, Melhor Curta (o vencedor é elegível a uma vaga na competição pelo Oscar) e a prêmios da crítica e do júri jovem.
  • Para mais informações, acesse o site oficial do evento: http://sitgesfilmfestival.com/
  • Inscrições: até 15 de agosto
  • A 56ª edição do festival acontece entre os dias 14 e 21 de novembro. Produções brasileiras finalizadas a partir de janeiro de 2013, com duração máxima de 45 minutos, podem se inscrever por meio do preenchimento de um formulário de inscrição (em basco, espanhol ou inglês) e pelo envio de uma cópia do filme em DVD para o endereço informado no regulamento.
  • O festival é um dos eventos contemplados pelo Programa de Apoio à Participação de Filmes Brasileiros em Festivais Internacionais e de Projetos de Obras Audiovisuais Brasileiras em Laboratórios e Workshops Internacionais da Agência Nacional de Cinema (Ancine). Curtas-metragens brasileiros oficialmente selecionados para a competição internacional principal poderão solicitar apoio à Agência. Para mais informações sobre o programa de apoio, entre em contato pelo e-mail programa.apoio@ancine.gov.br.
  • Para mais informações sobre o Festival Internacional de Cinema Documentário e Curtas-metragens de Bilbao – Zinebi, acesse o site http://www.zinebi.com/Zinebi56/en/
  • Inscrições: até 22 de agosto
  • O evento acontece na capital italiana entre os dias 16 e 25 de outubro para uma série de mostras competitivas e não competitivas. Este ano, a seleção se divide em quatro categorias, três delas abertas à participação de filmes internacionais. A seção Novo Cinema Internacional apresentará um máximo de 14 filmes de diretores novos ou consagrados; a seção Gala se propõe a ser uma seleção de 11 dos longas-metragens mais importantes do ano; e a seção Mundo Gênero apresentará uma programação com sete filmes de diferentes gêneros. Fecha a seleção oficial uma categoria reservada às novas tendências do cinema italiano.
  • Os interessados em submeter seus filmes ao comitê de seleção do festival devem pagar uma taxa no valor de 50 euros. Selecionados para exibição poderão solicitar apoio da Agência Nacional de Cinema (Ancine).
  • Mais informações no site http://www.romacinemafest.it/ecm/web/fcr/online/home
  • Inscrições: até 29 de setembro
  • O evento acontece entre 6 e 15 de março de 2105, em Miami, nos Estados Unidos. Serão exibidos filmes de curta e longa-metragem de ficção, documentário e animação em mostras competitivas e informativas. Durante o festival, serão distribuídos U$S 55 mil em premiações.
  • O envio das obras deve ser feito, obrigatoriamente, pelo serviço Secure Online Screener, sem a necessidade de envio postal de cópias em mídia física. O valor da taxa de inscrição varia de acordo com a antecedência. Até 28 de julho, os interessados pagam U$S 55, mas a taxa aumenta progressivamente até chegar a U$S 100 no período final do prazo.
  • Mais informações no site: http://www.miamifilmfestival.com/

11º FIM – Festival Imagem-Movimento, em Macapá

 

Internacionais

Festival Janela Internacional de Cinema do Recife

Festival Internacional de Documentários de Antofagasta (Antofadocs) – Chile

29º Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata

Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha (Sitges)

Festival Internacional de Documentários e Curtas-metragens de Bilbao – Zinebi

Festival Internacional de Cinema de Roma (Itália)

32ª edição do Festival internacional de Cinema de Miami

 

Informações: Ministério da Cultura

Foto: Victor Jucá

 

Violência contra a mulher: a educação liga

PrintA CNTE faz uma ação nas escolas públicas em apoio à campanha nacional de combate à violência, que visa a estimular as denúncias por meio da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação vai produzir cartazes para levar o debate de gênero para as escolas. Segundo a secretária de Relações de Gênero da CNTE, Isis Tavares, os estereótipos de gênero são criados a partir da organização e construção social das relações estabelecidas entre mulheres e homens e a escola é o espaço que pode reforçar ou questionar esses estereótipos. Isis enfatiza que a agressão doméstica extrapola as relações familiares e acaba identificando as mulheres como alvo de todo tipo de violência, seja ela física, psicológica ou simbólica. “Comportamentos aparentemente despretensiosos e inofensivos, de apelidos pejorativos a piadas ou palavras de baixo calão dirigidas às alunas, às professoras ou funcionárias da educação, acabam por gerar situações que vão desde constrangimentos às vias de fato”, afirma a secretária.

A CNTE, que possui uma base formada por uma grande maioria de mulheres, entende que sua luta não se restringe às questões específicas da categoria. Isis lembra que consiste também na luta pela emancipação das mulheres, combatendo a opressão de gênero e de classe, “também, e especialmente, nas escolas, que devem ter um compromisso com a construção da democracia e da igualdade entre homens e mulheres”.

Berenice Darc, membro da Secretaria Executiva de Política Educacional da CNTE, destaca o papel da escola no combate ao problema: “Hoje cada dia mais no Brasil a gente vive a repressão doméstica e a violência contra a mulher é uma das grandes preocupações da sociedade e da comunidade educacional. A escola é um espaço de debate, de discussão, de formação.”

Segundo ela, o assunto deve ser incluído no currículo desde o início da vida escolar: “É importante que desde os pequenininhos tenhamos essa preocupação sobre a discussão de gênero e que a escola seja um dos espaços formais onde se discuta o não à agressão contra a mulher. E a campanha eu ligo 180 – e a educação liga, por isso é importante que a CNTE faça essa grande discussão, para que o caminho formal da escola também possa apontar para o fim das violências. ‘A escola liga’ uma campanha que é minha, que é sua, que é importante que todos nós participemos”.

A partir deste entendimento, a CNTE pretende engrossar as fileiras da Campanha Eu Ligo 180, do Governo Federal, dirigindo-a aos trabalhadores e às trabalhadoras em educação. A proposta foi apresentada e debatida no Coletivo de Mulheres da CNTE, no mês de maio, e aprovada na reunião da Direção Executiva. A ideia é que as escolas organizem atividades para problematizar a violência contra as mulheres na comunidade escolar, além de divulgar o Disque 180, por meio da distribuição dos cartazes e promoção de reuniões e palestras. Mas as entidades também podem propor outras formas de divulgação, organizando o lançamento da Campanha nos seus estados ou municípios, por exemplo.

Isis diz que a expectativa é grande: “Esperamos que toda a direção das nossas entidades abrace essa campanha, dando a devida importância, divulgando nas suas páginas e redes sociais e que ela não seja relegada apenas às mulheres. O desrespeito contra a mulher ainda é uma grande mazela na nossa sociedade e os trabalhadores e as trabalhadoras em educação podem ter um papel decisivo para sua superação”.

Marta Vanelli, secretária geral da CNTE, também aposta na força da educação para vencer a intolerância: “A gente vive um momento do país onde existe muito tipo de intimidação, entre os próprios alunos, entre alunos e professores, e aproveitar uma campanha nacional contra a violência faz parte desse processo educacional de também acabar com todos os tipos de opressão. Por isso que a educação também liga para o 180″.

 

Foto: Divulgação

Informações: Sinpro-DF

Maionese Alternativa apresenta a nova cara da produção independente do DF nesta segunda!

logomarca

Rádio Agência ABRAÇO traz todas às segundas-feiras a partir das 20h, ao vivo, o  “Maionese Alternativa – Viajando o mundo com a música. O Programa é apresentado pelo jornalista e músico, Bruno Caetano e a web master, Gabriella Silva. Além de ser reprisado em vários horários alternativos da rádio web da Agência Abraço (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária), o maionese pode também ser veiculado pelas rádios comunitárias de todo o Brasil através do sinal da internet ligado à mesa de som.

Nesta segunda, dia 14 de julho, o programa contará com a presença da banda brasiliense Sapiens, trazendo temas instrumentais de volta às canções. Além das notícias do mundo da música nos diversos quadros, o programa ainda contará com os produtores: Edson Salazar, Mário Pazcheco, Juliana Krause,   Nader Arar e o jornalista Marcus Vinícius Leite.

Para ouvir basta clicar em:http://player.upx.com.br/5842/

Sobre o Programa Maionese Alternativa

Inspirado em uma canção da banda norte-americana Smashing Pumpkins, o Maionese Alternativa tem a finalidade de “viajar” nos acontecimentos “artístico-politico-musicais”, com muita descontração e independência. “As músicas são de acordo com os acontecimentos da cena musical no mundo. Mas nós apuramos a parte alternativa das notícias, enfatizando nossas opiniões juntamente com a dos ouvintes”, afirma Bruno Caetano.

O apresentador acrescenta ainda que as bandas independentes tem um papel fundamental no programa. “Queremos que cada vez mais as bandas independentes mandem seus trabalhos, para divulgarmos o novo rock e a música independente que está sendo construída no Brasil. E as bandas que forem executadas no programa, estarão inseridas automaticamente na programação da Rádio Agência Abraço e conseqüentemente, nas rádios comunitárias de todo o Brasil. Um intercâmbio incrível através da internet”, ressaltou. O programa conta também com entrevistas ao vivo, onde artistas, produtores e personalidades dão o tempero semanal da “maionese”.

Outro detalhe interessante do Maionese Alternativa, é o fato de todos quadros do programa terem nomes de canções, possuindo funções musicais diferentes um dos outros. Uma exceção é o quadro Salmonela, feito para dar “descarga” em algum fato ou personalidade, que não passou pelo padrão de qualidade da equipe.

 

Conheça os quadros:

Cabeça-Dinossauro: O título do clássico álbum dos Titãs de 1986 nos serviu de inspiração para contarmos um pouco de curiosidades das mais clássicas e influentes bandas de rock de todos os tempos. Neste quadro, além de veicular os clássicos, daremos informações sobre a música da banda e informaremos onde encontrar o respectivo material. Pérolas antigas, mas que sempre renovam o nosso espírito. Este é o Cabeça-Dinossauro! Aquela maionese tradicional: a receita da vovó!

Mais do Mesmo: Como o próprio nome da obra da Legião Urbana já diz, este quadro tem a finalidade de mostrar como se faz uma boa versão de uma boa (ou não) música. Todos os gêneros estão sujeitos a entrar neste maravilhoso momento. Você verá que ás vezes não é a música que é ruim, o problema é como ela está sendo usada. Mas verá também que em muitas das vezes, tanto as versões novas  quanto às originais são  de  ótima qualidade.

Assim-Assado: A épica canção da banda Secos e Molhados, da o nome de um dos quadros mais alternativos do Maionese.  O assim-assado é dedicado às bandas de indie-rock que mais se destacam no mundo, porém sem sair do chamado Lado B. Um clima vanguardista e original na nossa maionese: receitas que são um sucesso, mas muita gente não conhece.

Independente Futebol Clube:  Nesse imenso Brasil, que não falta é novos ingredientes para realçar constantemente o sabor da nossa maionese.  O quadro com o nome do clássico rock nacional da banda Ultrage à Rigor, irá apresentar a nova safra de artistas nacionais que estão sobrevivendo na cena independente da nossa música. São aquelas receitas novas de maionese, que fogem do tradicional, podendo fazer  sucesso ou não na boca do povo!

Ovelha Negra: O rock in rool cantado e tocado da maneira mais doce, sem perder o espírito; ou a música brasileira interpretada com feminismo. Estamos falando do quadro Ovelha Negra, que divulgará as bandas formadas por mulheres. Um momento em que nossa maionese ganhará uma cor mais bonita, aguçando ainda mais o nosso apetite por música boa. Uma homenagem singela a nossa musa do Rock-Brasil, Rita Lee.

Prato do Dia: Esta não muito conhecida canção da banda mineira, Pato Fu, nos inspirou a servir sempre um atrativo diferente. As novidades alternativas no Brasil e no mundo estarão sempre presentes no quadro Prato do Dia. Você terá a oportunidade conferir sempre músicas de álbuns que estão saindo do forno. Então saboreie e decida se o nosso prato agrada ou não o seu paladar auditivo!

10524440_10201255294864924_777198096_nPara ouvir o programa Maionese Alternativa, com Gabriella Silva e Bruno Caetano (foto) todas segundas feiras às 20h ao vivo, acesse: http://player.upx.com.br/5842/.

 

Bruno Caetano

Da Redação

Foto: Divulgação

Inscrições abertas para o V Concurso de Redação do Sinpro-DF

redaçãoAinda estão abertas as inscrições para o V Concurso de Redação e Desenho do Sinpro, que este ano terá como tema “Escola Pública que eu quero”. As inscrições poderão ser feitas até o dia 30 de julho no site do Sinpro-DF.

O Concurso faz parte da campanha contra a Violência nas Escolas, desenvolvida pelo Sinpro desde 2008, e tem como objetivo levar aos estudantes da rede pública de ensino uma reflexão sobre as causas, consequências e soluções para a violência no ambiente escolar. Este ano os candidatos terão a oportunidade de entrar na campanha de valorização da escola pública no Distrito Fedral.

Poderão se inscrever alunas/os desde o primeiro ano do ensino fundamental ao ensino médio (redação), e os matriculados no 1º, 2º e 3º anos iniciais e EJA 1º segmento (desenho). As redações e os desenhos deverão ser entregues até o dia 31 de julho na própria escola, na sede ou nas subsedes do Sinpro-DF. Os prêmios serão distribuídos para os alunos vencedores e professores indicados pelos estudantes.

Os alunos da educação infantil, de 4 a 5 anos de idade, e os matriculados do 1º ao 3º ano do ensino fundamental expressarão sua opinião por meio de desenho. Já os estudantes do 4º ao 9º do ensino fundamental discutirão a temática na forma de redação.

 

Regulamento

Ficha de inscrição  ou inscrições Online

Folha Pautada para redação (opcional)

Folha para desenho (opcional)

 

Foto: Reprodução

Belo Horizonte recebe até dia 12, o afroprogressivo Babilak

BAHOI0200web“Afroprogressivo”, este é o gênero cunhado pelo grupo Babilak Bah & Quarteto de Enxadas para designar seu estilo musical. Babilak é o nome de um paraibano radicado há mais de 20 anos em Belo Horizonte que se autodenomina um “propositor”, mais do que um compositor. Com esse estilo foi selecionado pelo Concurso Cultura 2014 para divulgar a cultura brasileira.

O artista possui um trabalho autoral na linha da experimentação. Em 2000, por exemplo, o artista criou e concebeu o “Enxadário: Orquestra de Enxadas”, em que explora timbres da ferramenta agrícola como instrumento musical. Na sequência, o artista retoma sua criação com o quarteto, quando conduz o hino nacional brasileiro com o som da enxada.

O Quarteto de Enxadas tem em sua formação os músicos Johnny Herno (percussão, enxadas e efeitos), Leonardo Brasilino (trombone e direção musical), Thiago de Melo (baixo acústico e enxadas), Markus Cupertino (bateria e enxadas), Almin de Oliveira (enxadas e congas) e condução do maestro das enxadas, Babilak.

 

Serviço:

 

  • 6 de julho (domingo), às 17h – Centro Cultural Lagoa do Nado –  Rua Ministro Hermenegildo de Barros, 904,  Itapoã
  • 12 de julho (sábado), às 16h –  Museu de Arte da Pampulha – Av. Dr Otacílio Negrão Lima, 16585 – Pampulha
  • Classificação livre
  • Entrada franca
  • Informações: (31) 3077 0606

 

 

Informações: Ministério da Cultura

Foto: Divulgação

Peça aborda os modelos de família em Fortaleza

não tem dois pais img1As pesquisas foram iniciadas, em 2012, na busca de utilizar a palhaçaria como um instrumento artístico.

Primeiro foram muitos artigos, palestras e vivências no intuito de se apropriar do domínio da linguagem de palhaços. Depois, foram realizadas as práticas de rua junto com bonecos para colher reações, em especial das crianças que se deparavam com a situação e procuravam tentar ensinar os palhaços sobre a estrutura familiar.

A peça teatral “Não tem dois pais?” aborda, com a linguagem da palhaçaria, o tema da adoção homoparental em um espetáculo elaborado a partir de situações vividas nas atividades de rua do grupo Cia. Teatral Acontece. As apresentações da peça acontecem no Teatro Sesc Emiliano Queiroz (Rua Clarindo de Queiroz, 1740, no centro de Fortaleza) nos dias 27 e 30 de junho e 06, 07 e 11 de julho, sempre às 19 horas, pelo Concurso Cultura 2014 do MinC.

O espetáculo busca a reflexão sobre o tema de forma bem humorada, sem deixar de lado a comoção. Segundo o grupo, o tema foi escolhido por causa de uma  matéria jornalística. “Na época da pesquisa, vi uma reportagem sobre um casal homoafetivo e suas dificuldades para adotar uma criança, então escolhemos essa temática para discutir se existe ou não o modelo certo de família, por acreditar que através da máscara do palhaço, o performer, o intérprete, consegue abrir muito espaço para abordar assuntos sérios também”, explica Felício da Silva, que faz parte companhia junto com Neto Sier, Anderson Mendes e Almeida Júnior.

 

Informações: Ministério da Cultura

Foto: Reprodução

Vitrines expõem artesanatos de todas as regiões do país

vitrines culturais imagem 1O projeto Artesanato nos Jogos 2014 – Vitrines Culturais – selecionou mais de 90 artesãos e associações de todo o País para expor e comercializar suas peças em sete das 12 cidades-sede do Mundial de 2014. As exposições acontecem até 13 de julho nasFifa Fan Fest e em espaços culturais de referência nas cidades (veja abaixo onde estão as Vitrines Culturais).

As vitrines têm mais de 200 tipos de peças de alta qualidade que compõem a cultura nacional. São cestarias, bordados, cerâmica, renda, tecelagem, brinquedos, peças em vidro e metal, artes indígenas, barro, cuias, entre outros.

“Poucas expressões artísticas representam tanto a riqueza da diversidade cultural brasileira quanto o nosso artesanato. A cerâmica, o artesanato indígena, as rendas, cada peça carrega a identidade cultural e a história de vida de uma comunidade, de uma região do Brasil”, afirma a ministra da Cultura, Marta Suplicy.

O projeto Vitrines Culturais é coordenado pela Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura em parceria com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República.

O edital do Artesanato nos Jogos 2014 recebeu a inscrição de 1.200 projetos, pela internet e pelos Correios. “O projeto Artesanato nos jogos 2014 – Vitrines Culturais apresentará para o país e para o mundo a excelência do artesanato brasileiro revelando a riqueza da nova diversidade cultural e contribuindo para a geração de renda de centenas de artesãos do Brasil”, informa o secretário da Economia Criativa do Ministério da Cultura, Marcos André Carvalho.

Diversidade

  • Os visitantes terão a oportunidade de apreciar e comprar obras artesanais de valores estético, cultural e de tradição centenária. É o caso, por exemplo, da renda labirinto, produzida por artesãs em Nísia Floresta (RN), município localizado a 40 km de Natal. O trabalho reúne técnicas híbridas de renda e bordado, dominadas há pelo menos três gerações de mulheres, que desenvolvem centros de mesa, toalhas, panos de bandeja e guardanapos.

De Pernambuco, a Associação Leão de Ouro apresenta a sofisticada gola de maracatu, uma peça artesanal que compõe o vestuário de uma das mais antigas tradições culturais brasileiras.

As artesãs do Vale do Jequitinhonha (MG) levarão as famosas bonecas de barro da região que, pela beleza e singularidade, ganharam identidade própria e são apreciadas no Brasil e no exterior.

Outro destaque das Vitrines Culturais é o artesanato em balata. O látex extraído da árvore balateira, após um processo de limpeza e beneficiamento, fornece a matéria-prima para um artesanato encontrado somente na região Norte do Brasil. Por meio da técnica de modelagem da balata, os artesãos do Pará produzem miniaturas de animais e personagens do cenário amazônico.

Do Sul do país haverá peças delicadas como as pêssankas, tradição milenar ucraniana, trazidas para o Brasil durante a colonização. A técnica consiste na sobreposição de pinturas e desenhos em ovos, feitos à mão com cera de abelha derretida.

Na avaliação do ministro-chefe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guiherme Afif Domingos, as peças que serão expostas possuem alto valor agregado e definem um  segmento econômico com potencial gerador de riqueza e renda.  “O artesanato brasileiro é atualmente uma contrapartida à massificação e à uniformização de produtos globalizados”, acrescenta Afif Domingos.

Confira aqui o Catálago das Vitrines Culturais.

Serviço:

Artesanato nos Jogos 2014 – Vitrines Culturais

De 12 de junho a 13 de julho

Locais:

Rio de Janeiro

Espaço cultural montado pelo MinC no Parque das Ruínas, Santa Teresa. Endereço: Rua Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa – Rio de Janeiro/RJ

Belo Horizonte

Espaço cultural montado pelo MinC na Fifa Fan Fest, na Expo Minas. Endereço: Av. Amazonas, 6200 – Gameleira- Belo Horizonte/MG.

Manaus

Espaço cultural montado pelo MinC no Paço da Liberdade. Endereço: Rua Gabriel Salgado – Centro – Manaus/AM.

Porto Alegre

Espaço cultural montado pelo MinC na Usina do Gasômetro. Endereço: Av. Presidente João Goulart, 551 – Centro – Porto Alegre/RS.

Recife

Espaço cultural montado na Representação Regional do MinC no Nordeste. Endereço: Rua do Bom Jesus, 237 – Bairro do Recife – Recife/PE.

Salvador

Espaço montado pelo MinC na Biblioteca Pública do Estado da BahiaEndereço: Rua Gal Labatut, 27 – Barris – Salvador/BA.

São Paulo

Espaço montado pelo MinC na Fifa Fan Fest, Vale do Anhangabaú.

 

Informações: Ministério da Cultura

Foto: Reprodução

Atrizes apresentam espetáculo sobre futebol no Rio de Janeiro

Circo - Pra Frente Marias - foto Fernanda Tomaz 7Quatro mulheres na rua. Ou melhor, em campo. “Pra frente Marias” é um espetáculo teatral que traz quatro atrizes vestidas de palhaço e prontas para jogar futebol. Nem um pio entre elas. A comunicação é feita por meio de quatro placas ou sons produzidos pela Banda Rio, que as acompanha, e toca durante a interação com o público.

 

A presença e participação dos espectadores são constantes e a expectativa com relação à receptividade do público é bem estimada pela equipe como salienta a atriz Samantha Anciães: “Ficamos muito felizes por sermos selecionados no Concurso Cultura 2014. A peça foi criada em 1998 e, cada Copa, a gente remonta ela toda, refaz figurino. Estamos com grande expectativa com relação à receptividade das pessoas. Nós jogamos mesmo”. Samantha integra o grupo As Marias da Graça, que desde o início da década de 1990 realiza espetáculos e oficinas utilizando técnicas de clown.

 

De acordo com Samantha, ao passo que os jogos da Copa do Mundo forem acontecendo, elas terão mais e mais assuntos para incrementar a performance. As críticas e piadas são elaboradas conforme temas surjam em outros campos das 12 cidades-sede. “Cada espetáculo é um espetáculo diferente”, garante a atriz.

 

A peça é dirigida pelo ator e músico Evandro Mesquita e será apresentada em seis pontos diferentes da cidade do Rio de Janeiro. São eles:

 

  • Praça Saens Peña, em 10 de junho, às 16h;
  • Largo da Carioca, em 11 de junho às 16h;
  • Calçadão de Bangu, em 18 de junho às 15h;
  • Parque das Ruínas (Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa), em 21 de junho às 17h;
  • Aterro do Flamengo (ao lado do Teatro Carlos Werneck), em 22 de junho às 11h;
  • Arena Dicró (Rua Flora Lobo, Parque Ary Barroso, na Penha), em 6 de julho às 16h.

 

 

 

informações: Ministério da  Cultura

Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos 2014

safe_imageInstituído pelo Ministério da Educação – MEC, o Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos está destinado a instituições educacionais e órgãos gestores da educação nos estados e municípios. Podem participar instituições públicas e privadas de educação básica e superior, secretarias estaduais e municipais de educação e instituições de educação não formal. Essas instituições poderão inscrever trabalhos desenvolvidos em parceria com outras instituições ou organizações da sociedade civil, como associações de pais e mestres, grêmios estudantis, diretórios acadêmicos, conselhos escolares, municipais e estaduais de educação etc. Todos os trabalhos apresentados, inclusive os desenvolvidos em parceria, deverão ser inscritos em nome da instituição, mencionando os demais participantes. No formulário de inscrição deverão constar os contatos do coordenador do trabalho.

Pensado no princípio de coletividade, não serão aceitos trabalhos concebidos e executados individualmente. O Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos é uma iniciativa voltada para a reflexão sobre os resultados obtidos com os projetos de Educação em Direitos Humanos. Por isso, não serão aceitos trabalhos sobre projetos que ainda não foram realizados. Apenas poderão se inscrever experiências com data de início anterior a janeiro de 2014 e que poderão estar em curso no momento da inscrição.

Em sua primeira edição, em 2008, o Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos objetivou a identificação e valorização de experiências educacionais significativas para a promoção de uma cultura de direitos humanos, envolvendo o conhecimento e a defesa dos direitos fundamentais, atividades de respeito às diversidades e de práticas democráticas no ambiente educacional. Nesta oportunidade, foram 350 experiências inscritas. São Paulo foi o estado com o maior número de trabalhos inscritos (86), seguido por Rio Grande do Sul (40), Rio Janeiro (38) e Minas Gerais (26). Participaram 35 Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, 153 Escolas Públicas e 65 Escolas Privadas de Educação Básica, 92 Departamentos ou Faculdades de Instituições de Educação Superior Públicas e Privadas.

Em 2010, na segunda edição do Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos manteve o mesmo objetivo; foram 220 projetos inscritos em sua segunda edição. A maioria advinda da região Sudeste, que reúne 93 trabalhos. A região Norte do país contou com 7 projetos, e 39 são do Nordeste, 41 do Centro-Oeste e 48 do Sul.

Na terceira edição do Prêmio, em 2012, inscreveram-se mais de 250 trabalhos vindos de todos os estados da federação, apresentados por instituições públicas e privadas de educação básica e superior, além de secretarias estaduais e municipais de educação.

Em 2014 permanecem as mesmas categorias das edições anteriores, sendo que, nesta quarta edição do Prêmio, a menção honrosa será outorgada a experiências especificamente realizadas na área da educação indígena. Entende-se por essa temática todas as atividades de formação de educadores/as para uma atuação em Direitos Humanos vinculada à educação indígena.

Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos quer dar igualdade de oportunidades a todas as instituições. Por isso, as inscrições são gratuitas e podem ser feitas via internet, pelo sitehttp://www.educacaoemdireitoshumanos.sdh.gov.br/inscricao, ou por correio, como carta registrada ou Sedex, com Aviso de Recebimento, endereçado a:
Prêmio Nacional de Educação em Direitos Humanos
SHS Quadra 6 Conj. A Bloco C
Ed. Brasil 21, Sala 919
CEP 70316-000
Brasília – DF

 

2057_image003

Panorama das Culturas Populares e Tradicionais no Distrito Federal

anuncio_panorama_siteA riqueza das culturas populares e tradicionais do Distrito Federal precisa ser mapeada e difundida para além das comunidades onde são produzidas. Assim, para definir o cenário de atuação dos grupos e comunidades produtores de culturas populares e tradicionais no Distrito Federal, as cidades de Brazlândia, Gama, Paranoá, Planaltina, São Sebastião e Taguatinga sediaram, em março e abril, seis rodas de conversa nas quais foram discutidas políticas públicas para as culturas populares aqui e no Brasil. Os debates fazem parte do Panorama das Culturas Populares e Tradicionais no Distrito Federal. Durante as conversas, foi feito um levantamento sobre o perfil dos profissionais envolvidos na cadeia produtiva do Artesanato, do Circo e das Culturas Populares. O evento se encerra nos dias 7 e 8 de junho, na Casa do Cantador, em Ceilândia, com apresentação dos resultados da pesquisa, seminário, debates, oficinas, apresentações artísticas, feira gastronômica e de negócios.

 

Para chegar aos resultados do censo, foram entrevistados artesãos, artistas, mestres, pesquisadores, produtores, técnicos, dentre outros, além de grupos informais. O objetivo do levantamento é identificar também profissionais que não constem nos bancos de dados oficiais da Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal, como o Cadastro de Ente e Agente Cultural (CEAC) e no Sistema Geral para Contratação Artística (SISCULT). Em março, as reuniões ocorreram em São Sebastião, Paranoá e Taguatinga. Em abril, os debates aconteceram no Gama, Planaltina e Brazlândia. Além da divulgação, durante o evento de encerramento, os resultados da pesquisa e das rodas serão anunciados na imprensa, nas redes sociais e no catálogo impresso, contendo dados de contato de artistas, empresas, entidades e grupos dos setores pesquisados, proporcionando mais visibilidade aos seus trabalhos.

 

Entrada franca.

Para mais informações: (61) 3321-9922.

Classificação indicativa livre.

Programação

Sábado (7/6) 

10h – Roda de Mestres: Martinha do Coco (Paranoá), Tamatatíua Freire )Ruiter Lima(Tribo das Artes), Gilvan do Vale (Tambor de Crioula de Seu Teodoro), Chico de Assis (Casa do Cantador – Ceilândia) e Chico Simões (Mamulengo Presepada – Taguatinga).

10h às 12h – Oficina Mídias e Redes Sociais: Comunicação eficiente com Angelica Elisa.

10h às 19h – Feira de Artesanato.

11h – Abertura / Apresentação dos resultados da pesquisa Panorama das Culturas Populares e Tradicionais do Distrito Federal / Debate I. Palestrantes: Eduardo Cabral, Francisco de Assis Chagas (Casa do Cantador), Carolina Palhares e Lara Amorim. Participação do público.

11h às 19h – Feira de Gastronomia.

14h – Oficina Direção de Palco – Humberto Pedrancini.

14h30 – Chico de Assis e João Santana.

16h30 – Debate II: Políticas públicas para as culturas populares e tradicionais. Mediação: Lara Amorim. Palestrante:Daniel Castro (Secretaria de Cidadania e da Diversidade Cultural/MinC), Marcelo Manzatti (Colegiado de Culturas Populares do DF) e Aldinei de Oliveira Silva, Diretor de Promoção de Culturas Populares. . Participação do Público.

16h – Bruttos e Bruttas da Catira (Planaltina).

17h – Grupo de Capoeira Sol Nascente (Ceilândia).

18h – Tamnoá (Paranoa).

 

Domingo (8/6)

 

10h – Oficina Assessoria de Imprensa, Release, Montagem de Portfólio e outros temas relacionados à comunicação com Maria Alice Monteiro (Editora da Brasíliagenda).

10h às 19h – Feira de Artesanato.

11h – Debate III: Invisibilidade nos Meios de Comunicação de Massa. Mediação: Lara Amorim. Palestrantes:Marcos Linhares (Agência C7), Ailton Velez (Menino de Ceilândia), Markão Aborígine (Grupo Aborígine, Coletivo ArtSam, Recid/DF). Participação do Público.

11h às 19h – Feira de Gastronomia.

14h – Apresentação Menino de Ceilândia.

14h30 – Debate IV Lei de Mestres. Mediação: Lara Amorim. Palestrantes: Valéria Oliveira (Invenção Brasileira/Assessoria Dep. Edson Santos) e Fred, da Comissão de Cultura – a confirmar. Participação do Público.

16h – Semente Cia. de Teatro (Gama).

17h – Grupo Dança de Roda (Brazlândia).

18h – Boi do Seu Teodoro (Sobradinho).

Os grupos serão assistidos e acompanhados durante o evento, sobretudo durante as apresentações, por profissionais de reconhecida experiência e receberão assessoria sobre Técnicas de Sonorização (Cacai Nunes) – Oficina de Sonorização.

Data:

07.06.14 a 08.06.14

Local:

Casa do cantador (QNN 32, área especial, Ceilândia Sul).

 

 

Informações: Maria Alice Monteiro