Endereço: CRS 505, Bloco A Entrada 11 Sala 105 - CEP: 70.350-510 - Asa Sul - Brasília/DF | Fone: (61) 3256-0803 | 3256-0802 | 9 9558-5735

UFPE aprova criação de novo curso de Comunicação Social em Caruaru (PE)

ufpe_em_caruaru

A partir do segundo semestre de 2015, a UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) vai oferecer, no Centro Acadêmico do Agreste (CAA) em Caruaru, o novo curso de Comunicação Social com ênfases em Mídias Sociais e Produção Cultural, com 40 vagas, no turno da tarde. A criação do curso foi aprovada no dia 13 deste mês, durante reunião do Conselho Coordenador de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade.

O curso será voltado para a formação de produtores culturais e comunicadores capazes de lidar com novos modelos de produção e disseminação de informação via internet e redes sociais. O aluno poderá optar por qualquer uma das duas formações depois que entrar no curso ou mesmo contemplar ambas as ênfases num currículo flexível. O novo curso terá nove períodos. Os editais para a contratação de docentes para o curso estão em elaboração. Os concursos começarão a ser realizados em 2015.

A proposta, inédita em Pernambuco, segundo o professor Amilcar Almeida Bezerra, que vai coordenar a nova graduação, tem como objetivo propiciar uma formação adequada às novas demandas do campo da Comunicação Social. “A convergência das mídias em ambientes digitais e o aumento do volume e da circulação de informações em escala global criam a necessidade de um profissional de comunicação com sólida formação intelectual, capaz de gerenciar de forma competente diversos tipos de informação e transitar por múltiplas habilitações”, destaca o professor.

A estrutura curricular está organizada em dois grupos de disciplinas: as obrigatórias (reunidas nos três primeiros períodos – ciclo básico – e mais as disciplinas de Trabalho de Conclusão de Curso, no final) e as eletivas (a partir do 4º período, divididas por ênfase). A proposta é que, a partir do 4º período, o aluno tenha a oportunidade de escolher, entre diversas opções, quais disciplinas irá cursar. As disciplinas estão agrupadas em duas ênfases: Mídias Sociais e Produção Cultural. Existem ainda as eletivas livres, que não estão vinculadas a nenhuma ênfase. Para receber o diploma de ênfase o aluno deverá cursar todas as disciplinas relacionadas para a ênfase escolhida.

O curso contará com laboratório de produção audiovisual com estúdio e ilha de edição, laboratório de fotografia e laboratórios equipados com PCs para uso corrente dos alunos em atividades de pesquisa e produção de conteúdos.

Mais informações: www.ufpe.br.

 

Foto: TV Asa Branca

Banda Marbru no Programa Maionese Alternativa desta segunda-feira

marbru 2

O programa Maionese Alternativa (radioesplanda.org) traz nesta segunda-feira (20) para os estúdios, a banda instrumental, Marbru. Os radialistas Bruno Caetano e Gabriela Silva conversarão com os convidados sobre a história e influências do grupo, abordando também, a cena cultural do Distrito Federal. Além do papo descontraído com os artistas independentes, o programa terá também em seus quadros, as principais notícias do mundo musical alternativo.

A banda Marbru contará no programa sobre suas atividades, que se iniciou no 2º semestre de 2006, com a proposta de apresentar um estilo inovador, englobando jazz, blues, ritmos brasileiros e o progressivo no instrumental

Para ouvir o Maionese Alternativa, que começa ao vivo, a partir das 20h todas as segundas-feiras, basta acessar o site da Rádio Esplanada FM, e viajar o mundo com a música!

 

Conheça o Programa Maionese Alternativa – Viajando o Mundo com a Música

Apresentação: Bruno Caetano e Gabriella Silva

Rádio Esplanada FM (www.radioesplandafm.org) e a Agência Abraço de Cultura e Comunicação Comunitária trazem todas às segundas-feiras a partir das 20h: Maionese Alternativa – Viajando o mundo com a música. O Programa é apresentado pelo jornalista e músico, Bruno Caetano e a produtora musical, Gabriella Silva. Além de ser reprisado em vários horários alternativos da Rádio Esplanada FM, o maionese pode também ser veiculado pelas rádios comunitárias, que entrarem em contato com a produção do programa.

Inspirado em uma canção (Maionese Dream’s) da banda norte-americana Smashing Pumpkins, o Maionese Alternativa tem a finalidade de “viajar” nos acontecimentos “artístico-politico-musicais”, com muita descontração e independência. “As músicas são de acordo com os acontecimentos da cena musical no mundo. Mas nós apuramos a parte alternativa das notícias, enfatizando nossas opiniões juntamente com a dos ouvintes e convidados do programa”, afirma Bruno Caetano.

O apresentador acrescenta ainda que as bandas independentes tem um papel fundamental no programa. “Queremos que cada vez mais as bandas independentes mandem seus trabalhos, para divulgarmos a música independente que está sendo construída no Brasil. E as bandas que forem executadas no programa, estarão inseridas automaticamente na programação da Rádio Esplanada e consequentemente, nas rádios comunitárias de todo o Brasil. Um intercâmbio incrível através da internet”, ressaltou. O programa conta também com entrevistas ao vivo, onde artistas, produtores e personalidades dão o tempero semanal da “maionese”.

Outro detalhe interessante do Maionese Alternativa, é o fato de todos quadros do programa terem nomes de canções, possuindo funções musicais diferentes um dos outros.

Conheça os quadros do programa Maionese Alternativa, por Bruno Caetano:

Cabeça-Dinossauro: O título do clássico álbum dos Titãs de 1986 nos serviu de inspiração para contarmos um pouco de curiosidades e notícias das mais clássicas e influentes bandas de rock de todos os tempos. Neste quadro, além de veicular os clássicos, daremos informações sobre a música da banda e informaremos onde encontrar o respectivo material. Pérolas antigas, mas que sempre renovam o nosso espírito. Este é o Cabeça-Dinossauro! Aquela maionese tradicional: a receita da vovó!

Mais do Mesmo: Como o próprio nome da obra da Legião Urbana já diz, este quadro tem a finalidade de mostrar como se faz uma boa versão de uma boa (ou não) música. Todos os gêneros estão sujeitos a entrar neste maravilhoso momento. Você verá que ás vezes não é a música que é ruim, o problema é como ela está sendo usada. Mas verá também que em muitas das vezes, tanto as versões novas  quanto às originais são  de  ótima qualidade.

Assim-Assado: A épica canção da banda Secos e Molhados, da nome a um dos quadros mais alternativos do programa.  O Assim-Assado é dedicado às bandas ou artistas solos, denominados “indies”, que se destacam no mundo, porém sem sair do chamado Lado B. Um clima vanguardista e original na nossa maionese: receitas que agrada, mas muita gente não conhece.
Independente Futebol Clube:  Nesse imenso Brasil, o que não falta é novos ingredientes para realçar constantemente o sabor da nossa maionese.  O quadro com o nome de um grande clássico do rock nacional, da banda Ultraje à Rigor, irá apresentar a nova safra de artistas nacionais que estão sobrevivendo na cena independente da nossa música. Os artistas locais estarão presente ao vivo no estúdio para uma entrevista e bate-papo, divulgando e falando sobre os seus trabalhos autorais. São aquelas receitas novas de maionese, que fogem do tradicional, podendo fazer sucesso ou não na boca do povo!

Ovelha Negra: O Rock cantado e tocado da maneira mais doce, sem perder o espírito; ou a música brasileira interpretada com um peculiar feminismo. Estamos falando do quadro Ovelha Negra, que divulgará as bandas formadas por mulheres. Um momento em que nossa maionese ganhará uma cor mais bonita, aguçando ainda mais o nosso apetite por música boa. Uma homenagem singela a nossa musa do Rock-Brasil, Rita Lee.

Prato do Dia: Esta não muito conhecida canção da banda mineira, Pato Fu, nos inspirou a servir sempre um atrativo diferente. As novidades da boa música no Brasil e no mundo estarão sempre presentes no quadro, Prato do Dia. Você terá a oportunidade conferir sempre músicas de álbuns que estão saindo do forno. Então saboreie e decida se o nosso prato agrada ou não o seu paladar auditivo!

Para ouvir o programa Maionese Alternativa todas segundas feiras às 20h ao vivo, acesse: www.radioesplandafm.org.

As rádios comunitárias interessadas em retransmitir o programa devem entrar em contato pelo email: jornalismoagenciaabraco@gmail.com

Uma produção da Agência Abraço de Cultura e comunicação Comunitária.

 

Por Bruno Caetano

Da Redação

Sinpro-DF prepara a tradicional Festa do Professor em Brasília

cartaz festa do professor 2014_samuel

No dia 18 de outubro, às 20h, no Net Live Brasília (antigo Opera Hall, SHN, Quadra 5), vai ocorrer a já tradicional Festa do Professor, que comemora o Dia do Professor. A grande atração da noite é o cantor Jorge Aragão, que fará uma participação especial no evento. Ex-integrante do grupo Fundo de Quintal, o sambista está em carreira solo há mais de 30 anos, sendo um dos grandes nomes do gênero, compondo sucessos como “Coisinha do Pai”, “Coisa de Pele”, “Eu e Você Sempre” e “Festejar”.

Também se apresentarão a cantora Dhi Ribeiro, a Banda Suprema e os DJs Black Roque, Lorena Duarte, Renan Franco e Thaís Katze, que animarão a categoria até a madrugada. Para quem gosta de boa música, a banda, conhecida nos bailes de Brasília e composta por mais de 20 músicos, tocará músicas dos mais diversos gêneros musicais.

O ingresso do(a) professor(a) e seu(sua) acompanhante será feito mediante a apresentação da carteirinha de sindicalizado ao Sinpro.

Para o coordenador da Secretaria de Assuntos Culturais do Sinpro, Marco Aurélio, os professores que comparecerem podem ter certeza que terão uma festa animada e cheia de alegria. A diretora Elaine Amância complementa que a Festa do Professor é muito mais que uma festa. “Além de ser um momento de encontro e de descontração, é uma ocasião onde podemos recarregar as energias, buscar forças para o dia-a-dia e também de valorizar e homenagear aqueles que lutam e que tanto fazem por uma educação pública de qualidade. Parabéns a todos os companheiros e companheiras”.

 

Centenário de Dorival Caymmi é celebrado no CCBB Brasília

teresa_cristina-491248-4e1a0a00399fa

Dorival Caymmi criou um universo musical todo próprio, traduzindo em canções seus amores, sentimentos e paixões, e também as vivências do dia a dia da gente simples, as tradições, os dramas e as alegrias. O cantor, compositor e violonista baiano é um personagem fundamental da cultura brasileira e peça primordial de nossa música.

No ano do centenário de Dorival Caymmi, o Centro Cultural Banco do Brasil convida o público para prestigiar um projeto que passeia por diversas facetas de sua música.  Caymmi, quando se canta todo mundo bole será realizado no teatro do CCBB Brasília, em outubro, e no CCBB Belo Horizonte, em novembro e dezembro.

Na capital brasileira, o projeto estreou em 3 de outubro (sexta-feira), na Agência Conceito BB do Shopping Iguatemi, com um bate-papo musical com Stella Caymmi, neta de Dorival, filha de Nana Caymmi, e autora de O mar e o tempo, biografia sobre o avô.

O programa intitulado Requebre que eu dou um doce dá a partida para a programação dos shows. Nos dias 11 e 12 de outubro (sábado e domingo), a cantora Teresa Cristina (foto) e cantor João Cavalcanti interpretarão as mulheres de Caymmi, as personagens, as reais e as divinas.

O elenco das apresentações de 18 e 19 de outubro (sábado e domingo) é formado pela cantora Jussara Silveira e pelo cantor Moreno Veloso. No programa batizado Acontece que eu sou baiano estão temas indissociáveis da obra de Caymmi, como a Bahia, suas tradições e encantos.

O mar e suas histórias são a inspiração do programa Quem vem pra beira do mar, em 23 e 24 de outubro (quinta e sexta-feira), que contará com as vozes de Camila Costa e Bem Gil.

As duas últimas apresentações do projeto no CCBB Brasília, sob o título de Acalanto, serão realizadas em 25 e 26 de outubro (sábado e domingo) e terão como interpretes Danilo Caymmi, filho de Dorival, e Alice Caymmi, neta do cantor. Pai e filha farão um apanhado das principais canções do homenageado.

Os cantores e cantoras serão acompanhados por uma banda formada Carlos Pontual (violões), Alex Rocha (baixo), João Bani (percussão) e Rafael Steinbruck (trombone).Participação do violonista Davi Mello nos dias 14 e 15 de outubro e do percussionista Marco Lobo em 18 e 19 de outubro.

Além de empunhar o violão nas apresentações, Carlos Pontual assina os arranjos e a direção musical do projeto, que tem curadoria e direção artística de Camila Costa e Natália Guimarães.

 

Serviço:

Patrocínio: Banco do Brasil

Local: Centro Cultural Banco do Brasil – Brasília (03/10 – Shopping Iguatemi/Agência Conceito BB)

Data: 3 a 26 de outubro de 2014

Horários:

11/10, sábado, às 21h e 12/10, domingo, às 20h: Teresa Cristina e João Cavalcanti.

18/10, sábado, às 21h e 19/10, domingo, às 20h: Jussara Silveira e Moreno Veloso.

23 e 24/10, quinta e sexta-feira, às 21h: Camila Costa e Bem Gil.

25/10, sábado, às 21h, e 26/10, domingo, às 20h: Alice Caymmi e Danilo Caymmi.

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia – clientes e funcionários BB, estudantes, pessoas com deficiência e maiores de 60 anos)

Classificação indicativa: Livre

 

Foto: Divulgação

 

 

Campanha Outubro Rosa começa em Brasília e no Brasil

outubro-rosa_brasilia

A campanha Outubro Rosa começou nesta quarta-feira (1) em todo o país, com o objetivo de mobilizar a sociedade sobre a importância do exame preventivo de câncer de mama. Em Brasília, a partir das 18h30, prédios e monumentos públicos serão iluminados com a cor rosa. A campanha deste ano terá também a exposição Recomeçar, que traz fotos de mulheres mastectomizadas (operação de retirada do seio).

Na capital do país, a programação de início da campanha terá shows musicais com Dona Gracinha da Sanfona, Célia Porto na Praça dos Três Poderes. A flautista Mônica Sobral fará a interpretação do hino nacional na abertura do evento.

Com o tema “Informação transparente, decisão consciente”, a campanha no Distrito Federal pretende orientar as mulheres a procurar a unidade básica de saúde mais próxima de sua casa ou uma das cinco unidades móveis disponíveis para fazerem mamografias, ecografias e exames preventivos.

Outubro Rosa é uma campanha de conscientização da prevenção do câncer de mama realizada anualmente no mês de outubro. O movimento teve início em 1990 durante a primeira Corrida pela Cura em Nova York. Em 1997 entidades de outras cidades dos EUA começaram a promover atividades voltadas ao diagnóstico e prevenção da doença e o mês de outubro foi escolhido como marco para as ações.

Confira a programação do evento no Distrito Federal

Evento: Lançamento da campanha com acendimento sincronizado de luzes de prédios e monumentos públicos do DF na cor Rosa.
Monumentos e prédios iluminados: Congresso Nacional, Palácio do Planalto, Supremo Tribunal Federal, Biblioteca Nacional, Monumento JK, Palácio do Buriti e Anexo, Catedral, Ponte JK, Palácio da Justiça, Itamaraty, Secretaria Especial de Politicas para as Mulheres da Presidência da República, Delegacia da Mulher e Câmara Legislativa do DF.
Data: 1º/10 – quarta-feira
Local: Panteão da Pátria Tancredo Neves – Praça dos Três Poderes
Horário: 18h30

Data: 4/10 – sábado
Evento: Roda de Capoeira: “Outubro rosa da copoeira na ginga contra o câncer de mama”
Local: Feira do Guará
Horário: 10h
Grupo: N’golo de Capoeira – Mestre Dionísio

Evento: “O Guará tem compromiso com a prevenção”
Data: 10/10 – sexta-feira
Local: Casa da Cultura do Guará – QE 23 – Área Especial do CAVE – próximo ao Kartódromo – Guará II – Telefone: 3383.7277/78
Horário: 20h

Evento: “Caminhada contra o Câncer de Mama” Defensoria Pública do DF
Data: 12/10 – Domingo
Local: Parque da Cidade – Concentração no estacionamento 12
Horário: 8h
Obs: Haverá atendimento Jurídico da Defensoria Itinerante do DF à comunidade.

Evento: Quintas femininas
Data: 16/10/2014 (quinta-feira)
Local: Ala Nilo Coelho – Plenário 2 – Senado Federal
Horário: 10h
Tema: “Câncer de mama: informação transparente, decisão consciente”
Palestrantes: Dra. Carolina Fuschino – Sociedade Brasileira de Mastologia e Dr. Arn Migowski, Sanitarista, epidemiologista, tecnologista da Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede do Instituto Nacional de Câncer do Rio de Janeiro (INCA).
Usuária: Lilian Marinho – Colaboradora da Rede Feminista

Evento: “Caminhada e Corrida contra o Câncer de Mama 2014″
Data: 19/10/2014 – domingo
Local: Início do Eixão Norte do Lazer – na altura do Prédio dos Correios
Horário: 9h
Patrocínio: Secretaria de Esporte do DF
Quantidade de inscrições gratuitas: mil
Percursos: caminhada de 1km, corrida de 5km e 10 km
Observações: As inscrições serão abertas na semana anterior à prova por meio da página da Secretaria de Esporte na Internet. www.corredorderua.com.br
Os corredores e corredoras receberão Kit contendo camiseta, chip, número de peito, sacolinha e medalha de participação. É oferecido lanche na chegada, com fruta, bolachas e suco de caixinha.

Evento: Abertura da exposição fotográfica “Recomeço” no térreo do Palácio do Planalto. (a confirmar)
Data: 16/10/2014
Horário: 10h.

Evento: Quintas Femininas
Data: 23/10/2014 (quinta-feira)
Local: Auditório do prédio Ministério do Esporte – Esplanada dos Ministérios – Bloco A
Horário: 10h
Tema: “Prevenção e tratamento do câncer de mama: avanços e desafios”
Palestrante: Dra. Fernanda Salum – Mastologista – Secretaria de Saúde do DF e Dr. Anderson Silvestrini – Oncologista – Grupo Acreditar.
Usuária: Joana Jeker – presidente da Recomeçar – Entidade de Mulheres Mastectomizadas de Brasília

Evento: Quintas Femininas
Data: 30/10/2014 (quinta-feira)
Local: Auditório da Escola de Assistência Jurídica da Defensoria Públicado DF. Setor Comercial Sul – Edifício Venâncio 2000 – Quadra 8 – 2º andar – telefone: 2196.4409
Horário: 14h
Tema: “Reconstrução mamária”
Palestrante: Dra. Kátia Torres – Cirurgiã plástica – ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica do DF e Dr. Daniel Barbalho – mastologista do Hospital Sírio Libanês unidade Brasília e Dr. Ricardo Caponero – oncologista e presidente do Conselho Técnico da Femama.

 

Foto: Reprodução

Edital busca fomentar manifestações culturais negras

article

Comunidades quilombolas, povos e comunidades tradicionais de matriz africana e outros coletivos negros terão mais uma oportunidade de fomento a suas expressões culturais. Trata-se do Prêmio de Culturas Afro-brasileiras, lançado nesta segunda-feira (22), que busca reconhecer e apoiar iniciativas culturais dos grupos que disseminam a cultura negra. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura (SCDC/MinC) e a Fundação Cultural Palmares (FCP).
Serão selecionados 60 projetos, que dividirão recursos de R$ 2,5 milhões. Cada iniciativa premiada receberá R$ 40 mil. O edital está dividindo em três categorias: Iniciativa Cultural Quilombola, Iniciativa Cultural de Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana e Iniciativa Cultural de Coletivos Culturais Negros. Serão 20 premiados em cada uma das categorias.

Mais editais voltados à cultura afro-brasileira

Além do Prêmio de Culturas Afro-brasileiras, o Ministério da Cultura tem abertos outros dois editais voltados à cultura afro-brasileira. Promovido pela FCP, em parceria com o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos e Neves (Cadon) e a Petrobras, a 3ª edição do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras premiará 25 projetos de artistas, grupos e companhias que atendam à estética negra nos segmentos dança, artes visuais, teatro e música. O investimento total será de R$ 1,4 milhão. As inscrições seguem até 3 de outubro.

Também estão abertas até 10 de outubro as inscrições para o edital Bolsa Funarte de Fomento aos Artistas e Produtores Negros, lançado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte). Serão concedidas 45 bolsas para a realização de atividades nas áreas de circo, dança e música, como exposições e mostras (pintura, escultura, desenho, gravura, fotografia, novas mídias e demais linguagens), oficinas, seminários, intervenções urbanas e projetos de produção e circulação de espetáculos, entre outros.

 

As inscrições podem ser feitas até 6 de novembro, por via postal ou internet. Para se inscrever via internet, o proponente deverá anexar os documentos requeridos no edital aoSistema de Acompanhamento às Leis de Incentivo à Cultura (SalicWeb).
Inscrições pelos Correios devem ser enviadas, junto com toda a documentação preenchida e assinada, por entrega rápida ou com aviso de recebimento obrigatório simples (AR), ao endereço:
EDITAL PRÊMIO DE CULTURAS AFRO-BRASILEIRAS – FUNDAÇÃO CULTURA PALMARES
Quadra 601 Norte – SGAN – Lote L CEP: 70830-010 – Ed. ATP – Brasília/DF.
O envelope deve estar lacrado e trazer especificada a categoria pretendida.
Podem participar pessoas físicas e jurídicas que realizem atividades culturais voltadas para comunidades e/ou expressões quilombolas, de povos e comunidades de matriz africana e outros bens culturais afro-brasileiros.

Acesse o edital e demais documentos necessários para a inscrição.

 

Informações: Ministério da Cultura

Foto: Ascom/Minicult

 

Povos de Pernambuco formalizam novo território etnoeducacional

19316

 

Os 18 povos indígenas de Pernambuco formalizam nesta sexta-feira, 19, a criação do Território Etnoeducacional de Pernambuco, que é o 25º território indígena constituído no país desde 2009. O território é um instrumento de gestão da educação escolar indígena, dirigido por um colegiado.

A população indígena de Pernambuco, segundo o censo demográfico realizado em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 60.995 indivíduos, sendo que 31.836 vivem em terras indígenas e 29.159 em áreas não demarcadas. E o censo escolar de 2013, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), contabilizou 12.894 estudantes indígenas matriculados em 131 escolas da educação básica no estado e 797 professores autodeclarados indígenas.

O Território Etnoeducacional de Pernambuco reúne desde a maior população indígena do estado, formada pelos xucurus, que somam 12.009 pessoas, aos tremembés e turivaras, que têm apenas um representante em cada etnia. Constituem o território os povos pancararu, com 6.959 indivíduos, trucá (6.044), aticum (4.631), fulniô (4.232), capinauá (3.283), cambiuá (2.911), pancarará (2.558), pipipã (1.195). Os outros povos desta organização têm menos de 500 indivíduos: tuxás, pancaiucás, caapores, tumbalalás, araras, pancararés, pancurus.

Colegiado – A condução das atividades em cada território etnoeducacional é feita por um colegiado composto por representantes dos indígenas nele organizados, sendo um por etnia; por profissionais das secretarias de Educação dos estados e municípios da área, de universidades e institutos federais públicos, da Fundação Nacional do Índio (Funai), organizações não governamentais com atuação na área e do Ministério da Educação. No colegiado, que tem atribuições consultivas e deliberativas, os povos indígenas dizem às instâncias governamentais que tipo de educação querem.

Conforme o Decreto nº 6.861/2009, que define a educação escolar indígena e cria a figura do território etnoeducacional no país, os objetivos dessa forma de organização são valorizar a cultura dos povos, afirmar e manter a diversidade; fortalecer as práticas socioculturais e as línguas maternas; formular e manter programas de formação de pessoal especializado para a educação indígena; desenvolver currículos e programas específicos; elaborar material didático específico e diferenciado e afirmar as identidades étnicas.

Territórios – De 2009 ao início de 2014, foram pactuados 24 territórios etnoeducacionais indígenas em 11 estados da Federação. O desenho dos territórios atende diversos formatos de organização das etnias. Existem territórios organizados em um estado, vários territórios no mesmo estado, e outros por grupos de estados. No Amazonas, por exemplo, foram constituídos seis territórios únicos e um território – ianomâmi e iecuana – que une indígenas do Amazonas e Roraima. Já o território do Vale do Araguaia reúne povos de Mato Grosso, Tocantins, Goiás e Pará.

Distribuição – Estão no Amazonas os territórios do Rio Negro, Baixo Amazonas, Juruá-Purus, Médio Solimões, Alto Solimões, Vale do Javari; em Rondônia, Tupi Tupari, Tupi Mondé, Tupi Txapacura e Ijhcatu; no Pará, Ixamná, Tapajós e Araoiuns e Médio Xingu; em Mato Grosso do Sul, territórios do Conesul e Povos do Pantanal; em Mato Grosso, Auve Uptabi Xavante e Xingu; Ibi Iara, na Bahia; Cinta Larga, em Mato Grosso e Rondônia; Picacuatinhere Pataxó, no Pará e Mato Grosso; Vale do Araguaia, em Mato Grosso, Tocantins, Goiás e Pará; Timbira, em Mato Grosso e Tocantins; Ianomâmi e Iecuana, no Amazonas e Roraima; Potirô, no Ceará e Piauí.

Três territórios estão em processo de implantação: Nambiquara (MT), Oiapoque (AP, Tenetearas, Uaiui, Zemu’E hau – Tembé e Caapor (BA); e outros 13 territórios estão na fase de consulta.

 

Informações: Ionice Lorenzoni ( Ministério da Educação)

Foto: www.leiaja.com

 

 

Festival Dança França Brasil no Distrito Federal

20140918121218133867u

 

Entre os dias 20 a 29 de setembro, o festival Dança França Brasil apresenta cinco coreografias de renomadas companhias francesas e duas brasilienses. O projeto é um intercâmbio internacional, realizado pelo Instituto Bem Cultural e com o patrocínio da Embaixada da França, Instituto Francês do Brasil e do Banco do Brasil.

Durante o festival, o público poderá conferir um panorama da história da dança na França nas décadas de 80 e 90, dança experimental e hip hop. A programação permitirá ainda um contato maior com espetáculos de dança produzidos no Distrito Federal.

A coreografia ”Cribles” abre a programação e é um resultado da residência artística da coreógrafa francesa Emmanuelle Huynh e sua equipe em Brasília. Serão 48 horas de trabalho com a participação de dez dançarinos profissionais do DF. Segundo a gerente geral do CCBB Brasília, Paula Sayão, “essa ação de intercâmbio e qualificação profissional é valiosa para a produção da Dança do Distrito Federal”.

A coreógrafa ainda apresenta coreografias “Le Faune” e “La Grande Nymphe”, representantes da dança dos anos 90 e que têm como trilha o preludio “Tarde de Um Fauno”, de Nijinsky.

Já a companhia Ballet de Lorraine traz a Brasília os espetáculos “Extasis” – que representa um extrato da produção dos anos 80 -, e “Giszelle”, um trabalho de dança experimental . Complementa as atrações de dança francesa, “YonderWoman”, da Companhia par Terre, que apresenta uma mescla de dança urbana com dança contemporânea.

Dois representantes brasilienses participam do festival: a companhia “In Steps”, que apresentará a coreografia “Heranças Urbanas” para dialogar com o trabalho da Companhia par Terre, e o coreógrafo e diretor Edson Beserra e seu Composto de Ideias que exibe a coreografia inédita “Vinil de Asfalto”, estabelecendo uma ponte com a dança conceitual francesa.

Encerrando as atividades, haverá também um workshop com a Companhia par Terre.

 

Serviço:

Serviço

Patrocínio: Banco do Brasil, Embaixada da França e Instituto Francês do Brasil

 

Assessoria de Imprensa Dança França Brasil – Tato Comunicação:

Cíntia Rogner – tato.mkt.imprensa@gmail.com – (61) 3263-8916 / 3263-5597 /  9213-9013

Assessoria de Imprensa CCBB Brasília:

Ricardo Torres – ricftorres@bb.com.br – (61) 3108-7629 / 7630

O CCBB disponibiliza ônibus gratuito, identificado com a marca do Centro Cultural. O transporte funciona de quarta a segunda-feira. Consulte todos os locais e horários de saída no site e no Facebook.

 

CCBB Brasília
Aberto de quarta a segunda-feira das 9h às 21h
SCES Trecho 2 – Brasília/DF  Tel: (61) 3108-7600

bb.com.br/cultura
E-mail: ccbbdf@bb.com.br   Site: bb.com.br/cultura

Redes sociais:facebook.com/ccbb.brasilia etwitter.com/CCBB_DF

 

 

Foto: Divulgação

Companhia pernambucana traz musical sobre Villa-Lobos

VillaLobos0091

 

Um espetáculo baseado na vida e obra de Heitor Villa-Lobos é a experiência que a companhia Sopro-de-Zéfiro – Cecília Brennand traz de Pernambuco para Brasília. “O Nosso Villa – Um musical Villa-Lobos” será apresentado somente no dia 12 de setembro, às 20h30​, no Teatro Dulcina de Moraes (CONIC) em Brasília.

A apresentação traz quinze músicas de Villa-Lobos em um roteiro que mergulha na trajetória e vida do maestro e compositor brasileiro, interpretadas por mais de 35 bailarinos-cantores e sete instrumentistas. O grupo, que é referência no movimento artístico de Recife (PE), se dedicou cerca de três meses em ensaios para uma apresentação de cerca de uma hora sobre a vida e obra do artista. Dentre os artistas, profissionais experientes e participantes do projeto Aria Social, que ganham nos palcos experiência para o futuro.

“O Nosso Villa – Um musical Villa-Lobos” desprende-se da descrição íntegra e usa do universo lúdico para apresentar a trajetória do artista. A música, executada ao vivo, torna-se narração nas mãos da diretora de arte, Beth Gaudêncio, que idealizou o projeto e garante ao público “uma seleção perfeita para cantar a vida de Villa-Lobos de maneira mais teatral e menos documental”. Ana Emília e Carla Machado assinam a coreografia e direção de cena num mergulho pela linguagem contemporânea para apontar os diversos temas que o roteiro propõe.

O espetáculo chega a Brasília como parte da turnê pelo Brasil que já contemplou Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. A capital federal é a sexta cidade a receber o projeto iniciado em 2013, no Aria Social, instituição social criada, dirigida e coordenada por Cecília Brennand.

O ingresso custa R$15, sendo R$7,50 a meia-entrada, e podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Dulcina (CONIC).

“O Nosso Villa – Um Musical Villa-Lobos” é a terceira montagem do Aria Social, que já excursionou pelo Brasil com os espetáculos anteriores. Estreado recentemente, “O Nosso Villa” teve circulação pelo Nordeste, Sudeste e, agora, Centro Oeste. Apresentações já foram realizadas nas cidades de Recife (PE), Natal (RN), Aracaju (SE), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

 

Serviço

Dia 12 de setembro de 2014

Sexta-feira – às 20​h30
Teatro
​ Dulcina de Moraes​ – http://www.dulcina.art.br/teatro.php
CONIC, SDS Bloco C N°. 30/64 Edifício FBT
​Ingressos: R$ 15 (inteira) e 7,50 ​(meia-entrada) – bilheteria do teatro Dulcina
Duração: 80 min. Classificação etária: 10 anos

 

Foto: Divulgação

 

Campanha por uma Nova Lei de Rádios Comunitárias continua!

Abraço1

A Campanha por uma Nova Lei de Rádios Comunitárias no Brasil está ganhando cada vez mais força. A coleta de assinaturas promovida pela Abraço (Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária)  está “encorpando” o ato que forçará o Parlamento a realizar as mudanças necessárias para a radiodifusão comunitária.  Desde o lançamento da campanha, a sede da Abraço Nacional em Brasília, vem recebendo centenas de assinaturas vindas de várias cidades do Brasil. Os estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, foram os que mais coletaram assinaturas para o envio até o momento.

Desde a década de 90 que o movimento das rádios comunitárias, capitaneadas pela Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária – Abraço, vem lutando para transformar a LEI MÍNIMA 9612/98, que institui o Serviço de Radiodifusão Comunitária no Brasil em uma lei que seja fomentadora da democratização da comunicação no país a partir do fortalecimento como órgão local de comunicação radiofônica, para promover o desenvolvimento sustentável local. Infelizmente, nesses 16 anos de existência da Lei, não foi possível mudar uma vírgula sequer do projeto aprovado pelo Congresso Nacional, mesmo havendo dezenas de Projetos de Leis em tramitação na casa.

Por essa razão a Abraço quer mobilizar as mais de 5.000 rádios comunitárias autorizadas no Brasil. A campanha é muito simples: Cada emissora fica com a responsabilidade de coletar um mínimo de trezentas, assinaturas para se chegar ao total de um milhão e trezentas mil assinaturas exigidas pelo Congresso Nacional para acatar uma proposta de iniciativa popular.

As propostas constantes do PLIP são a sistematização de nossas reivindicações desde antes da promulgação da Lei 9612/98 e contempla a totalidade de das demandas legais para as emissoras.  A  Abraço conclama às direções das Rádios Comunitárias de todo o país a promoverem esta coleta de assinaturas.

 

Clique aqui para baixar o formulário fazer parte da campanha

Abraço na luta pela mudança da Lei 9612/98. Participe!